Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Combate à corrupção tem que ser alargado, dizem analistas angolanos

Angola piora 3 posições no ranking sobre corrupção (DR)

VOA | Coque Mukuta

O combate à corrupção por parte do governo de João Lourenço deve ser alargado às grandes instituições e figuras do país, disseram analistas angolanos quando convidados a comentar os dois anos da luta anti corrupção do governo.

O jurista José Carlos a intenção do presidente da República em combater a corrupção é boa mas, o combate incoerente pelo facto de não ter havido transparência com a declaração de bens acrescentando que João Lourenço leva um combate selectivo.

“O que tenho a dizer é que a política do Presidente João Lourenço sobre a corrupção é uma politica incoerente, porque quando tomaram posse deviam todos fazer a declaração de bens desde presidente, ministros e governadores para que qualquer um cidadão possa consultar sem qualquer dificuldade”, disse o jurista para quem “a luta contra corrupção tem sido selectiva.

“Existem muitos indivíduos envolvidos em casos de corrupção e não são responsabilizados, não sabemos se neste período de cinco anos poderão ser responsabilizados ou não, acrescentou.

O também escritor e professor Universitário, lembra que após o período colonial nenhum angolano herdou alguma propriedade e que os ricos angolanos foram quase todos feitos no sistema corrupto que antigo presidente ofereceu.

Já Mfuka Muzemba antigo deputado à Assembleia Nacional, classifica como boa a intenção de João Lourenço para combater a corrupção, mas falha por não atacar as grandes instituições e as grandes personalidades envolvidas em casos de corrupção.

“Se o presidente da República trouxe este desafio é porque tem noção das grandes instituições e grandes personalidades envolvidas em corrupção, e não acredito que o presidente e o executivo consigam combate-los”,disse.
Muzemba afirma que é preciso um combate que não seja “para inglês ver”.

Por seu lado, o também jurista Pedro Kaparakata aponta como nova forma de corrupção a distribuição das empresas.

Outra opinião tem o padre Pio Wakussanga, especialista em resolução dos conflitos, que entende que para que João Lourenço materialize a sua intenção é importante o envolvimento das igrejas, autoridades tradicionais, activistas e políticos.

“O assunto deve ser tratado como uma questão restaurativa, ou seja, é importante o envolvimento de todos, quer seja, da sociedade civil, igrejas e autoridades tradicionais, o que não tem acontecido”, disse.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »