Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Moçambique pede na ONU mais apoios para a reconstrução do país e para o processo de paz

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Moçambique insistiu na necessidade dos apoios prometidos na sequência dos ciclones que atingiram o país. (DR)

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Moçambique insistiu na necessidade dos apoios prometidos na sequência dos ciclones que atingiram o país. José António Pacheco pediu ainda assistência contínua no processo de paz.

Falando no quinto dia da 74.ª Assembleia-Geral das Nações Unidas, no sábado (28.09), em Nova Iorque, avança a DW, o ministro dedicou parte da sua intervenção às alterações climáticas e às medidas que estão a ser tomadas, depois de em Março e Abril passados Moçambique ter sido afectado por dois ciclones, no centro e norte do país, que provocaram 689 mortos.

José António Pacheco disse, citando cientistas, que Moçambique é o segundo país do mundo mais vulnerável às alterações climáticas, agradeceu a ajuda internacional na sequência dos ciclones, e lembrou uma conferência internacional de doadores, em maio, da qual resultaram promessas de apoio de 1,2 mil milhões de dólares, dos 3,2 mil milhões necessários.

“Reiteramos a prontidão para imprimir maior celeridade no processo de desembolso da ajuda prometida”, disse o ministro, que lembrou igualmente o acordo de paz e reconciliação nacional assinado a 06 de Agosto entre a FRELIMO, no poder, com a RENAMO, oposição, decorrendo actualmente, disse, o processo de desarmamento, desmobilização e reintegração das tropas da RENAMO.

Um trabalho que “requer capacidade técnica e financeira robusta”, pelo que reiterou o “apelo para o apoio e assistência contínua na implementação do acordo”.

África subsaariana frágil

No longo discurso que fez na ONU, o ministro falou do aumento das tensões políticas, geoestratégicas e comerciais no mundo, falou do aumento das desigualdades e da situação de fragilidade da África subsaariana, falou do “défice crescente de confiança entre as nações”, e falou dos fundamentalismos e extremismos violentos e comércio de armas, que são também motivos de preocupação.

José António Pacheco disse que Moçambique apoia todas as iniciativas e parcerias na procura da paz e apoia a reforma do sistema das Nações Unidas, nomeadamente do Conselho de Segurança.

À semelhança do que outros países já tinham feito, apelou para uma solução pacífica para os conflitos no Saara Ocidental e nos territórios palestinianos ocupados por Israel.

Apelou ainda para a normalização das relações políticas, diplomáticas, económicas e financeiras entre Cuba e os Estados Unidos, porque “o bloqueio económico a Cuba não tem justificação”, e defendeu o levantamento das sanções contra o Zimbabwe.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »