Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Munícipes solicitam agências bancarias no interior de Icolo e Bengo

MULTICAIXA (FOTO: PEDRO PARENTE)

A população residente em Icolo e Bengo, em Luanda, solicita a instalação de agências ou postos bancários no interior do município, evitando assim que os munícipes percorram longas distâncias até a vila de Catete, onde existem serviços bancários.

A falta de agências bancárias nas comunas de Cabiri, Bom Jesus, Quiminha, Cassoneca e Caculo Cahango faz com que os munícipes tenham de se deslocar até Catete para efectuar as transações bancárias.

Em declarações à Angop, alguns membros das autoridades tradicionais sugerem que o Governo instale postos do Banco de Poupança e Crédito (BPC) em vários pontos do interior do município para que possam levantar os seus subsídios.

O soba do Zenza do Gulungo, João Sebastião André, de 74 anos, disse que tem de percorrer mais de 60 quilómetros de táxi para ter acesso a uma agência do BPC, em Catete.

Segundo o soba, é oneroso ter de utilizar o táxi e muitas vezes posto no local, o BPC não possui dinheiro ou falta sistema para atender os clientes.

A mesma situação é vivida pelos antigos combatentes e veteranos da pátria e funcionários públicos que trabalham em zonas recônditas da sede do município de Icolo e Bengo.

A professora Angelina Rodrigues António, que trabalha na comuna de Cassoneca, refere ser fundamental a abertura de bancos na localidade para permitir que os funcionários públicos e camponeses realizem algumas transacções bancárias.

O funcionário público João de Sousa sublinhou que seria bom que o Estado reflectisse neste sentido, pois o município carece de meios de transportes públicos para facilitar a mobilidade da população que procura pelos Bancos.

Apontou ainda que todas as comunas encontram-se a uma distância média de mais de 30 quilómetros até a Vila de Catete, e cabe ao Governo resolver este problema para que a população cumpra com as suas obrigações fiscais.

Lembrou que existem agências de bancos privados na sede municipal, Catete, e em Bom Jesus, mas que em quase nada ajuda a população, porque existem pensionistas e membros das autoridades tradicionais que estão domiciliados no BPC.

O administrador municipal adjunto para a área financeira e orçamental, Natividade da Silva, reconhece que as comunas de Icolo e Bengo necessitam de mais agências, quer públicas como privadas, para o pagamento de impostos e de salários.

O responsável recordou que os postos teriam diferentes serviços, não só para arrecadação de receitas, mas também para o pagamento das taxas do registo civil e da identificação, água e luz eléctrica e outras contas fiscais.

O administrador adjunto realçou também que os Bancos privados recusam-se a instalar-se em determinadas áreas por acharem não ser rentável estar em áreas sem o público alvo.

“Os Bancos não são empresas filantrópicas, eles instalam-se aí onde há negócios e lucro e algumas áreas do município de Icolo e Bengo não possuem população estável financeiramente”, explicou.

O gerente de uma agência de um banco privado em Catete recordou que a Banca tem como objectivo os lucros e negócios e lamentavelmente as localidades de Icolo e Bengo não têm atractivos para os bancos.

O bancário sustentou que outro motivo que impede a abertura de postos nas comunas são os riscos, como a falta de segurança, energia eléctrica e água potável.

Com uma extensão territorial de 3.309.7 quilómetros quadrados, o município de Icolo e Bengo encontra-se dividido pelos distritos de Catete e Bela Vista e pelas comunas de Cabiri, Bom Jesus, Quiminha, Cassoneca e Caculo Cahango.

O município de Icolo e Bengo, dista a 60 quilómetros da cidade capital, Luanda e possui uma população maioritariamente, camponesa e piscatória (pesca fluvial) com uma densidade populacional de 81 mil 444 habitantes.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »