- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mais Entrevista Moçambique: Autoridades criam equilíbrio de poder entre Rússia e EUA em Cabo...

Moçambique: Autoridades criam equilíbrio de poder entre Rússia e EUA em Cabo Delgado?

DW África

Ataques em Cabo Delgado intensificam e Presidente fala em invasão camuflada. Imprensa noticia presença russa na província onde há interesses dos EUA. Quais seriam as vantagens de um equilíbrio de forças para Moçambique?

Em Moçambique, na última semana, a imprensa tem reportado sobre uma suposta presença russa na província nortenha de Cabo Delgado. A ser confirmada pelas autoridades, ela poderia trazer uma espécie de equilíbrio de forças, se considerarmos que nesta região há fortes interesses norte-americanos, entende o analista político Calton Cadeado.

E o Presidente Filipe Nyusi disse também esta semana que o país está a ser vítima de uma “invasão camuflada” e falou em ataques ao desenvolvimento. A DW África entrevistou o analista político Calton Cdeado:

DW África: Parece estar claro para o Estado moçambicano que os ataques no norte do país já não se trata de simples criminalidade de natureza endógena como acreditava inicialmente?

Calton Cadeado (CC): Este é um pronunciamento que o chefe de Estado faz de forma muito forte e mostra que o Presidente da República tem um tipo de informação privilegiada, como sempre teve, mas desta vez a qualidade da informação aponta para um suspeito que ainda não tem também rosto nem nome. O simples facto do chefe de Estado ter dito que se trata de uma invasão camuflada. Agora quem é esse invasor? E de onde é que vem esse invasor, ele também não disse e ficamos todos no escuro, na especulação e não deixa de ser ainda uma informação sem muito conteúdo para nós termos a certeza do que é que estamos a dizer….

DW África: A imprensa nacional tem reportado nos últimos dias sobre a presença de homens e equipamento bélico russo no norte do país. A ser verdade ou a ser confirmada esta informação, o que é que isto significa no contexto da exploração do gás com interesses norte-americanos não só neste sector mas também na área da segurança?

CC: A primeira coisa é que o Governo moçambicano tem a legitimidade de ir buscar apoios onde quer que seja para qualquer acção que for preciso. É soberano e é legítimo que o Governo moçambicano faça isso. Segundo, o Governo sente que para lidar com este problema precisa de ir buscar cooperação. Já fez uma aproximação de cooperação com a Tanzânia, que é público, já fez a aproximação da cooperação com o Quénia, que também é público, com a RDC, a República Democrática do Congo, portanto, há uma comunicação. Mas quando entramos para este nível de chegada ao país de equipamento militar, bélico, partilha de inteligências (informações secretas), estamos perante uma cooperação mais elevada para além da simples comunicação.

DW África: Mas os interesses russos e norte-americanos não são como água e óleo, ou seja, não se misturam?

CC: Sem dúvidas. À primeira vista trazer os russos para a questão de Cabo Delgado (os ataques armados) significaria colocar aqui uma espécie de equilíbrio de poder. Colocar os russos para fazer o watcher (observar), se me permite esta expressão, aos americanos. Mas também não nos esqueçamos que os americanos e os russos têm interesses económicos na área de prospecção de hidrocarbonetos aqui em Moçambique. Então, isso pode ser anulado ou pode diminuir a ideia de que a presença russa em Moçambique é simplesmente para contrabalançar a presença americana na zona de Cabo Delgado. Este é um aspecto que não se pode ignorar…

DW África: E qual é a grande vantagem para o Estado moçambicano deste equilíbrio que se pode vir a estabelecer?

CC: Sem dúvidas que o Governo moçambicano não é uma super-potência e ter duas super-potências nessa zona, aliás tem a França com interesses também nessa zona, todos eles juntos na região fazem para Moçambique uma aproximação de força que pode ser benéfica na hora de juntar todas essas forças para fazer face a qualquer ameaça.

DW África: Esta procura de apoio russo por parte do Estado moçambicano é um assumir da incapacidade para dar resposta a este problema que se vive no norte de Moçambique?

CC: É um problema bastante complexo e essa complexidade reside no facto do grupo não se identificar. Esta é um metodologia de acção que surpreendeu a todos. O que quero dizer é que para além da incapacidade do Estado moçambicano, muitas vezes quando analisamos este tipo de actuações é preciso também reconhecer que o fracasso de um é o sucesso do outro, a incapacidade de um é a capacidade do outro.

- Publicidade -
- Publicidade -

Covid-19. Cuba anuncia duas vacinas e já conta com quatro possíveis fármacos

Cuba anunciou quinta-feira que vai começar os ensaios clínicos de dois projectos de vacinas contra a Covid-19, que aumentam para quatro o número de...
- Publicidade -

Amor em tempos de cólera

Inspirados pela magia literária de Gabriel Garcia Marquez, acreditamos na nova aurora de liberdade proclamada em 2017 pelo Presidente João Lourenço, mas, três anos...

Exportações dão 11,14 mil milhões de dólares

As exportações somaram, nos sete primeiros meses deste ano, 11,14 mil milhões de dólares contra 20,68 mil milhões no mesmo período do ano anterior...

Inocêncio de Matos vai a enterrar sábado

O funeral de Inocêncio de Matos, o jovem manifestante morto no dia 11 de Novembro, em Luanda, vai ser finalmente realizado sábado, num dos...

Notícias relacionadas

Covid-19. Cuba anuncia duas vacinas e já conta com quatro possíveis fármacos

Cuba anunciou quinta-feira que vai começar os ensaios clínicos de dois projectos de vacinas contra a Covid-19, que aumentam para quatro o número de...

Amor em tempos de cólera

Inspirados pela magia literária de Gabriel Garcia Marquez, acreditamos na nova aurora de liberdade proclamada em 2017 pelo Presidente João Lourenço, mas, três anos...

Exportações dão 11,14 mil milhões de dólares

As exportações somaram, nos sete primeiros meses deste ano, 11,14 mil milhões de dólares contra 20,68 mil milhões no mesmo período do ano anterior...

Inocêncio de Matos vai a enterrar sábado

O funeral de Inocêncio de Matos, o jovem manifestante morto no dia 11 de Novembro, em Luanda, vai ser finalmente realizado sábado, num dos...

“Beleza”, o angolano que mostra a arte da capoeira na África do Sul

Mário Lopes pratica a sua arte mesmo tempo de pandemia Na cidade sul-africana de Cape Town, Márcio Lopes, mais conhecido por Beleza, é um angolano...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.