Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Marcelo, entre livros, já faz contas a eventual campanha de recandidatura

(DR)

Marcelo Rebelo de Sousa visitou na quarta-feira uma livraria de antiguidades em Nova Iorque onde, entre raridades de milhares de dólares, já começou a fazer as contas a uma eventual campanha de recandidatura à Presidência da República.

“Se começar a comprar, não terei recursos para me candidatar outra vez”, comentou o chefe de Estado, enquanto percorria o piso de entrada da quase centenária livraria Argosy, que ocupa um edifício de seis andares no centro de Manhattan.

Pouco depois, escreve a Lusa, ao folhear velhos livros em português e manuais de direito, alguns do século XVII, perante Judith, Naomi e Adina, três irmãs que mantêm em atividade este negócio familiar fundado pelo seu pai, Louis Cohen, em 1925, Marcelo Rebelo de Sousa tentou adivinhar o preço de um deles: “3500 dólares”.

Afinal, custava três vezes menos, e uma das irmãs sugeriu-lhe que “pode usar o resto na campanha”. O Presidente da República retorquiu: “Eu não gasto muito dinheiro, sabe quanto é que gastei na minha campanha presidencial? Não vai acreditar. 167 mil euros, o equivalente a 180 mil dólares. Não é muito”.

“Da próxima vez, será menos do que isso”, assegurou. Para logo de seguida corrigir: “Não há próxima vez”.

Marcelo Rebelo de Sousa pôs de parte um exemplar de ‘Os Lusíadas’ de 1880, com “tradução livre” para francês feita pelo duque de Palmela, para a coleção camoniana da Fundação Casa de Bragança, certificando-se primeiro, por telefone, de que a instituição ainda não tinha esta edição rara.

Em seguida, subiu aos pisos onde estão os mapas, as primeiras edições e os autógrafos, à conversa com Judith, Naomi e Adina, a quem contou que começou a colecionar livros antigos “aos 14, 15 anos”, pedindo dinheiro emprestado aos pais, e que doou no total “mais de 200 mil volumes à biblioteca de Celorico de Basto”.

As três irmãs pareciam encantadas com o chefe de Estado português, e às tantas Judith disse-lhe: “Quem me dera que fosse o nosso Presidente”. Naomi confidenciou-lhe o mesmo, mais à frente: “Estávamos a pensar que podia ser o nosso Presidente”.

O Presidente norte-americano, Donald Trump, vive ali perto, mas não visita a livraria. “O que é ótimo”, observou Adina. Em contraste, um dos seus antecessores, Bill Clinton, é cliente assíduo da Argosy, desde que estava em funções, mas nunca trouxe a comunicação social.

Marcelo Rebelo de Sousa já tinha visitado há um ano outra livraria independente famosa de Nova Iorque, a Strand, fundada em 1927.

Esta quarta-feira, rodeado pelos jornalistas que o acompanharam na 74.ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas, passou cerca de duas horas na Argosy, que sobrevive em Manhattan porque o imóvel é propriedade da família, que está determinada em mantê-lo.

“Adoram livros? Eu também. Que família, que exemplo”, elogiou, logo à entrada. “Passaria horas e horas e horas e dias e dias e dias a ver tudo”, exclamou, no final, encantando com este lugar de achados improváveis e fragmentos históricos, onde se sente o cheiro dos livros.

O chefe de Estado fez questão de examinar cuidadosamente um conjunto de mapas antigos de Portugal e das suas antigas colónias, que uma das funcionárias, Laura, lhe mostrou, um por um, e comprou uma gravura colorida das ilhas cabo-verdianas para oferecer ao seu amigo Jorge Carlos Fonseca, Presidente de Cabo Verde.

Demorou-se igualmente na secção de autógrafos de personalidades, onde surpreendeu ao acertar sucessivamente no preço de vários artigos, e deu a explicação: “Tenho um bom senso da realidade”.

À saída, prestes a regressar a Portugal, ao fim de três dias e meio em Nova Iorque, os jornalistas lançaram-lhe o tema da recandidatura, perguntando-lhe se na terça-feira fez o seu último discurso como Presidente da República perante a Assembleia Geral das Nações.

Marcelo Rebelo de Sousa, que tem remetido para o verão de 2020 uma decisão em relação às presidenciais de janeiro de 2021, nada adiantou.

“Ou não me recandidato, ou me candidato e não sou eleito – e este foi o último discurso que fiz na Assembleia Geral das Nações Unidas. Ou me recandidato e sou eleito – e então poderei estar aqui em 2021 outra vez a discursar. Vamos ver”, respondeu.

No próximo ano, está definido que será o primeiro-ministro a representar Portugal nas Nações Unidas, referiu.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »