- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Portugal Marcelo, entre livros, já faz contas a eventual campanha de recandidatura

Marcelo, entre livros, já faz contas a eventual campanha de recandidatura

Marcelo Rebelo de Sousa visitou na quarta-feira uma livraria de antiguidades em Nova Iorque onde, entre raridades de milhares de dólares, já começou a fazer as contas a uma eventual campanha de recandidatura à Presidência da República.

“Se começar a comprar, não terei recursos para me candidatar outra vez”, comentou o chefe de Estado, enquanto percorria o piso de entrada da quase centenária livraria Argosy, que ocupa um edifício de seis andares no centro de Manhattan.

Pouco depois, escreve a Lusa, ao folhear velhos livros em português e manuais de direito, alguns do século XVII, perante Judith, Naomi e Adina, três irmãs que mantêm em atividade este negócio familiar fundado pelo seu pai, Louis Cohen, em 1925, Marcelo Rebelo de Sousa tentou adivinhar o preço de um deles: “3500 dólares”.

Afinal, custava três vezes menos, e uma das irmãs sugeriu-lhe que “pode usar o resto na campanha”. O Presidente da República retorquiu: “Eu não gasto muito dinheiro, sabe quanto é que gastei na minha campanha presidencial? Não vai acreditar. 167 mil euros, o equivalente a 180 mil dólares. Não é muito”.

“Da próxima vez, será menos do que isso”, assegurou. Para logo de seguida corrigir: “Não há próxima vez”.

Marcelo Rebelo de Sousa pôs de parte um exemplar de ‘Os Lusíadas’ de 1880, com “tradução livre” para francês feita pelo duque de Palmela, para a coleção camoniana da Fundação Casa de Bragança, certificando-se primeiro, por telefone, de que a instituição ainda não tinha esta edição rara.

Em seguida, subiu aos pisos onde estão os mapas, as primeiras edições e os autógrafos, à conversa com Judith, Naomi e Adina, a quem contou que começou a colecionar livros antigos “aos 14, 15 anos”, pedindo dinheiro emprestado aos pais, e que doou no total “mais de 200 mil volumes à biblioteca de Celorico de Basto”.

As três irmãs pareciam encantadas com o chefe de Estado português, e às tantas Judith disse-lhe: “Quem me dera que fosse o nosso Presidente”. Naomi confidenciou-lhe o mesmo, mais à frente: “Estávamos a pensar que podia ser o nosso Presidente”.

O Presidente norte-americano, Donald Trump, vive ali perto, mas não visita a livraria. “O que é ótimo”, observou Adina. Em contraste, um dos seus antecessores, Bill Clinton, é cliente assíduo da Argosy, desde que estava em funções, mas nunca trouxe a comunicação social.

Marcelo Rebelo de Sousa já tinha visitado há um ano outra livraria independente famosa de Nova Iorque, a Strand, fundada em 1927.

Esta quarta-feira, rodeado pelos jornalistas que o acompanharam na 74.ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas, passou cerca de duas horas na Argosy, que sobrevive em Manhattan porque o imóvel é propriedade da família, que está determinada em mantê-lo.

“Adoram livros? Eu também. Que família, que exemplo”, elogiou, logo à entrada. “Passaria horas e horas e horas e dias e dias e dias a ver tudo”, exclamou, no final, encantando com este lugar de achados improváveis e fragmentos históricos, onde se sente o cheiro dos livros.

O chefe de Estado fez questão de examinar cuidadosamente um conjunto de mapas antigos de Portugal e das suas antigas colónias, que uma das funcionárias, Laura, lhe mostrou, um por um, e comprou uma gravura colorida das ilhas cabo-verdianas para oferecer ao seu amigo Jorge Carlos Fonseca, Presidente de Cabo Verde.

Demorou-se igualmente na secção de autógrafos de personalidades, onde surpreendeu ao acertar sucessivamente no preço de vários artigos, e deu a explicação: “Tenho um bom senso da realidade”.

À saída, prestes a regressar a Portugal, ao fim de três dias e meio em Nova Iorque, os jornalistas lançaram-lhe o tema da recandidatura, perguntando-lhe se na terça-feira fez o seu último discurso como Presidente da República perante a Assembleia Geral das Nações.

Marcelo Rebelo de Sousa, que tem remetido para o verão de 2020 uma decisão em relação às presidenciais de janeiro de 2021, nada adiantou.

“Ou não me recandidato, ou me candidato e não sou eleito – e este foi o último discurso que fiz na Assembleia Geral das Nações Unidas. Ou me recandidato e sou eleito – e então poderei estar aqui em 2021 outra vez a discursar. Vamos ver”, respondeu.

No próximo ano, está definido que será o primeiro-ministro a representar Portugal nas Nações Unidas, referiu.

- Publicidade -
- Publicidade -

Protesto em Luanda: Isabel dos Santos apela por libertação de manifestantes

Empresária usou a hashtag #trabalhandoporangola para expressar no Twitter a sua indignação com a detenção dos manifestantes em Luanda. Organizadores convocam manifestação para 11...
- Publicidade -

Vai começar outra história para o petróleo de Angola?

O decreto presidencial que obriga as petrolíferas internacionais a contratarem serviços e quadros angolanos foi recebido com um sentimento misto. Uns aplaudem esta “angolanização”,...

Polícia dispersa protesto junto ao Tribunal Provincial de Luanda

Cerca de uma centena de pessoas que exigiam a libertação dos manifestantes detidos no sábado (24.10) foram dispersadas com gás lacrimogéneo pela polícia angolana....

João Lourenço no mais importante fórum empresarial de África a convite do Instituto Tony Blair

O Presidente João Lourenço vai estar ao lado ex-primeiro ministro britânico Tony Blair, no dia 5 de Novembro, para participar no Africa Debate, o...

Notícias relacionadas

Protesto em Luanda: Isabel dos Santos apela por libertação de manifestantes

Empresária usou a hashtag #trabalhandoporangola para expressar no Twitter a sua indignação com a detenção dos manifestantes em Luanda. Organizadores convocam manifestação para 11...

Vai começar outra história para o petróleo de Angola?

O decreto presidencial que obriga as petrolíferas internacionais a contratarem serviços e quadros angolanos foi recebido com um sentimento misto. Uns aplaudem esta “angolanização”,...

Polícia dispersa protesto junto ao Tribunal Provincial de Luanda

Cerca de uma centena de pessoas que exigiam a libertação dos manifestantes detidos no sábado (24.10) foram dispersadas com gás lacrimogéneo pela polícia angolana....

João Lourenço no mais importante fórum empresarial de África a convite do Instituto Tony Blair

O Presidente João Lourenço vai estar ao lado ex-primeiro ministro britânico Tony Blair, no dia 5 de Novembro, para participar no Africa Debate, o...

A pedido de João Lourenço Parlamento aprova propostas para agravar penas no novo Código Penal

Com 176 votos a favor e duas abstenções (CASA-CE), a Assembleia Nacional aprovou hoje, na generalidade, as propostas de alteração ao Código Penal Angolano,...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.