- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Brasil Oposição brasileira classifica discurso de Bolsonaro na ONU de “vergonha internacional”

Oposição brasileira classifica discurso de Bolsonaro na ONU de “vergonha internacional”

Observador|Lusa

Membros da oposição política brasileira criticaram esta terça-feira o discurso proferido pelo Presidente do país, Jair Bolsonaro, na Assembleia-Geral das Nações Unidas, classificando-o de “vergonha internacional”.

“O pronunciamento de Bolsonaro na ONU é motivo de vexame internacional, de vergonha internacional. Um discurso agressivo, violento, e, fundamentalmente, que declara um alinhamento e subserviência aos Estados Unidos, atacando outras nações e mentindo a respeito do Brasil”, afirmou o líder do Partido dos Trabalhadores (PT) na câmara dos Deputados, Paulo Pimenta, num vídeo partilhado no Twitter.

Também a presidente do PT — principal partido de oposição ao Governo de Bolsonaro –, Gleisi Hoffmann, usou a rede social Twitter para criticar o discurso do chefe de Estado, que classificou de “vazio”, “desastroso”, e “vergonhoso”, acrescentando que não foi apresentada nenhuma solução para a desflorestação da Amazónia.

“O discurso de Bolsonaro na ONU foi vazio como ele. Não trouxe nada de concreto e se resumiu a uma guerra ideológica contra governos, Organizações não-governamentais (ONG), militantes e a imprensa. Não apresentou nenhuma solução para a desflorestação na Amazónia. Um completo vexame”, escreveu Hoffmann.

A presidente do PT disse ainda que Bolsonaro elogiou o Presidente norte-americano, Donald Trump, e Israel, mas que atacou o resto do mundo.

“Nada disse sobre o desenvolvimento do Brasil, a vida do povo e a contribuição do país para o mundo. Desastroso. Bolsonaro Vergonha Mundial. (…) Mentiu sobre proteção ambiental, destilou xenofobia, ofendeu indígenas, atacou imprensa, médicos cubanos e ONU, demonstrou fanatismo ideológico, defendeu a ditadura militar”, argumentou ainda a Gleisi Hoffmann.

Bolsonaro foi o primeiro chefe de Estado a discursar na Assembleia-Geral das Nações Unidas, e teceu críticas aos Governos do PT, que estiveram no poder mais de uma década, e que o mandatário acusou de submeter médicos cubanos a “trabalho escravo”.

Bolsonaro disse que em 2013 houve “um acordo entre o Governo ‘petista’ [liderado por Dilma Rousseff, do PT] e a ditadura cubana que trouxe ao Brasil 10 mil médicos, sem nenhuma comprovação profissional”.

Estes médicos, segundo o Presidente brasileiro, foram “impedidos de trazer cônjuges e filhos, tiveram 75% dos seus salários confiscados pelo regime e foram impedidos de usufruir de direitos fundamentais como o de ir e vir, um verdadeiro trabalho escravo, respaldado por entidades de direitos humanos do Brasil e da ONU”.

A ambientalista e líder política brasileira Marina Silva, e concorrente de Bolsonaro nas presidenciais do ano passado, criticou, numa série de mensagens publicadas no Twitter, a posição ambiental do mandatário na ONU.

“Obviamente, a grave crise climática que estamos a viver só apareceu no discurso de Bolsonaro numa menção pífia e telegráfica. Um silenciamento típico do obscurantismo que toma conta do seu Governo”, frisou Marina Silva.

“O Presidente repetiu tragicamente uma velha fórmula. Tentou negar o que acontece no Brasil, como se a comunidade internacional não tivesse acesso à verdade. Não deu certo na década de 70, quando os militares tentaram esconder a tortura. Imagina agora”, acresentou ainda a ambientalista.

Já o governador do estado de São Paulo, e que poderá disputar as presidenciais de 2022 contra Bolsonaro, João Dória, teceu duras críticas a todo o discurso do mandatário.

“Primeiro, inadequado. Segundo, inoportuno. Terceiro, sem referências que pudessem trazer respeitabilidade e confiança ao Brasil no plano ambiental, no plano econômico e no plano político. Quarto, péssima repercussão internacional”, disse o Governador, citado pela imprensa local.

- Publicidade -
- Publicidade -

Covid-19: Seis professores testam positivo no Cuanza Norte

Seis professores do Cuanza Norte submetidos ao teste da biologia molecular (RT-PCR), na semana transacta, testaram positivo à Covid-19. O facto foi anunciado pelo responsável...
- Publicidade -

UNITA mantém suspensão dos membros acusados de querer destituir o seu líder

O presidente do Conselho Jurisdicional desta força política, africano Kangombe, contactado, ontem, por este Jornal, sobre o assunto, evitou falar, depois de ter dado...

Covid-19: Angola com 227 novas infecções e 117 recuperados

Duzentos e vinte e sete novos casos, um óbito e cento e dezassete pacientes recuperados é o balanço epidemiológico anunciado, nesta terça-feira, em Luanda,...

João Lourenço no Africa Debate a convite do Instituto Tony Blair

O Presidente João Lourenço vai participar, no dia 5 de Novembro, no Africa Debate, o principal evento do fórum empresarial de África realizado em...

Notícias relacionadas

Covid-19: Seis professores testam positivo no Cuanza Norte

Seis professores do Cuanza Norte submetidos ao teste da biologia molecular (RT-PCR), na semana transacta, testaram positivo à Covid-19. O facto foi anunciado pelo responsável...

UNITA mantém suspensão dos membros acusados de querer destituir o seu líder

O presidente do Conselho Jurisdicional desta força política, africano Kangombe, contactado, ontem, por este Jornal, sobre o assunto, evitou falar, depois de ter dado...

Covid-19: Angola com 227 novas infecções e 117 recuperados

Duzentos e vinte e sete novos casos, um óbito e cento e dezassete pacientes recuperados é o balanço epidemiológico anunciado, nesta terça-feira, em Luanda,...

João Lourenço no Africa Debate a convite do Instituto Tony Blair

O Presidente João Lourenço vai participar, no dia 5 de Novembro, no Africa Debate, o principal evento do fórum empresarial de África realizado em...

PRS defende envolvimento dos cidadãos no combate à corrupção

Para o partido, apesar das acções já em curso no âmbito do combate à corrupção, é necessário e urgente que os órgãos competentes retirem...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.