Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Na Guiné-Bissau não pode haver lugar para narcotraficantes e seus cúmplices internos, diz PR

José Mário Vaz, Presidente da Guiné-Bissau (DR)

RTP|Lusa

O Presidente guineense, José Mário Vaz, disse que na Guiné-Bissau não pode haver espaço para os narcotraficantes e os seus cúmplices internos, salientando que a droga regressou depois de ter desaparecido nos últimos cinco anos.

“O fenómeno do tráfico de droga, que havia desaparecido nos últimos cinco anos, volta de novo em força para massacrar e fustigar o nosso povo”, afirmou José Mário Vaz, num discurso proferido no Palácio da Presidência por ocasião do 46.º aniversário da proclamação da independência da Guiné-Bissau.

Para o chefe de Estado guineense, os estrangeiros que trazem a droga regressaram porque “voltaram a sentir que agora têm de novo a cobertura e proteção de gente poderosa”.

“Na Guiné-Bissau que estamos a ajudar a mudar para um novo rumo não pode haver lugar para narcotraficantes e nem para os seus cúmplices internos. A todos eles, nós advertimos: Nunca Mais! Esta terra é nossa e nós queremo-la limpa”, afirmou o Presidente.

José Mário Vaz recordou que a droga corrói e destrói os “alicerces de uma Nação, mina as instituições do Estado e lança o povo na insegurança, violência e miséria”.

“Onde está a nossa justiça? Onde estão hoje os suspeitos destas operações que a todo o custo querem rotular o nosso país de narcoestado?”, questionou o Presidente.

A Polícia Judiciária da Guiné-Bissau apreendeu em março cerca de 800 quilogramas de cocaína e no início de setembro voltou a fazer uma apreensão de quase duas toneladas.

“Nós não podemos ficar todos prisioneiros de uma pseudo elite aliada a narcotraficantes estrangeiros”, avisou o Presidente guineense, sublinhando que o futuro do país está em risco.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »