- Publicidade-
InicioMundoÁsiaPelo menos 19 mortos e 300 feridos após sismo no Paquistão

Pelo menos 19 mortos e 300 feridos após sismo no Paquistão

Pelo menos 19 pessoas morreram e mais de 300 ficaram feridas após um sismo de magnitude 5,8 na escala de Richter que atingiu hoje a Caxemira paquistanesa, segundo um novo balanço.

“Um total de 19 pessoas morreram e mais de 300 ficaram feridas”, indicou Gulfraz Khan, vice-inspetor geral da cidade de Mirpur, a área mais afetada pelo sismo, à televisão paquistanesa.

De acordo com a RTP que cita a Lusa, o anterior balanço apontava para quatro mortos e 50 feridos.

A mesma fonte referiu que as equipas de resgaste ainda estão a retirar feridos dos escombros de edifícios destruídos.

Citado pela agência espanhola Efe, o porta-voz da polícia de Caxemira, Irfan Saleem, referiu que o tremor de terra sacudiu também parte do país e provocou a destruição parcial de várias estradas, bem como danos em edifícios, com alguns a ruírem na totalidade.

O terramoto ocorreu a cinco quilómetros da cidade de Jeklum, na Caxemira controlada pelo Paquistão, sendo Mirpur a localidade que aparenta ter sido mais afetada, acrescentou.

O porta-voz da Autoridade de Gestão de Desastres da região, Raja Sajjad, confirmou que toda a região sofreu “fortes danos”, mas não avançou mais pormenores, adiantando, porém, que o sismo foi sentido noutras cidades do país, como Peshawar, Lahore, Murree ou mesmo Islamabad.

O exército do Paquistão enviou já ajuda às populações afetadas.

O sul da Ásia tem um alto nível de sismicidade pela proximidade aos Himalaias, onde chocam as duas placas continentais da Índia e da Euroásia, que convergem a uma velocidade relativa de 40 a 50 milímetros por ano.

Em 2014, o Paquistão foi afetado por um terramoto de magnitude 7,5 graus na Escala de Richter, que provocou 220 mortos, 1.656 feridos e danos em 10.586 casas.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.