- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Moçambique Eleições em Moçambique: Filho de Dhlakama é a nova estrela dos comícios...

Eleições em Moçambique: Filho de Dhlakama é a nova estrela dos comícios da RENAMO

Billal Sulay, apelidado de “Obama”, é um nome de que tanto se fala actualmente nas redes sociais, principalmente no Facebook em Moçambique. É um dos filhos do falecido líder da RENAMO, Afonso Dhlakama.

De fotógrafo oficial do seu pai (Afonso Dhlakama), escreve a DW, a um mobilizador de massas, na campanha eleitoral de Ossufo Momade, é assim como tem sido caracterizado.

Por enquanto, Billal Sulay diz não ter apetências políticas, mas também assume que a sua aparição pública em campanhas da RENAMO visa mostrar aos jovens que o futuro de Moçambique está nas mãos da juventude.

Popularmente é conhecido pelo nome de “Obama”, devido as suas supostas aparências com o antigo Presidente dos Estados Unidos. As suas primeiras aparições públicas, acontecem na campanha eleitoral de 2014, como fotógrafo oficial do antigo líder da RENAMO, Afonso Dhlakama, por sinal o seu pai. Hoje também é fotógrafo oficial da campanha de Ossufo Momade – actual presidente do maior partido da oposição moçambicana (RENAMO).

Ao mesmo tempo, o jovem de 29 anos de idade é visto como mobilizador de massas para a campanha eleitoral de Ossufo Momade.

Em entrevista à DW África, Billal Sulay diz-se surpreendido com a popularidade em sua volta. “Tem momentos que até tenho ficado assustado com o que tem acontecido, porque é difícil para eu gerir tudo aquilo, mas nisso tudo fica um desafio da minha parte para fazer merecer o carinho das pessoas”, assumiu Billal.

“Não tenho a carisma do meu pai”

A meio da popularidade, que até já se faz sentir nas redes sociais, como o Facebook, o filho do falecido líder da RENAMO, Afonso Dhlakama indicou que sente o peso do nome que carrega, mas nega qualquer comparação ao carisma do falecido pai.

“É impossível ser Dhlakama. Ele era incomparável”, disse Billal, para quem “é muito cedo para comparar o carisma que o meu pai tinha, porque ele arrastava consigo muitas pessoas. Acredito que só por ser filho dele, e ter andando com ele entre 2014 e 2015, talvez isso esteja a contribuir para essa imagem”.

Mesmo sem querer comparações, o filho de Afonso Dhlakama diz-se sentir na obrigação de continuar o legado deixado pelo pai, mas espera que o tempo dite os próximos passos.

“O meu pai foi o que foi, no tempo dele… eu provavelmente, poderei, dentro ou fora da política, construir o meu próprio nome, e tendo sempre presente aquilo que foram os seus ensinamentos. Neste momento é muito cedo dizer que o seu ADN encarnou em mim, embora como filho tenha o dever de dar continuidade ao seu legado, mas sei que não serei igual a ele”, afirmou.

Por outro lado, Billal Sulay diz ter o próprio mérito na popularidade que está a ter, e justifica “conhecem-me também por ser um jovem batalhador e fotógrafo. Tenho puxado as massas sim, mas num ambiente de festa”, afirma destacando que “para a RENAMO a campanha é um momento de festa, e como podem notar estamos sempre com o presidente Ossufo Momade que também é muito carismático”.

RENAMO na caça ao voto da juventude

A analista Fátima Mimbire considera que a presença activa do filho do antigo líder da RENAMO, Afonso Dhlakama pode ser uma estratégia do partido para conquistar o eleitorado mais jovem.

“É mostrar uma outra cara do partido que possa ser vendida e ser comprada pelas pessoas que melhor se identificarem com ela, principalmente para o eleitorado jovem que não conhece o histórico e a memória do passado que penaliza a RENAMO”, considerou Fátima Mimbire.

Billal Sulay manifestou a sua vontade de ver a juventude a abraçar a causa da RENAMO, por considerar que “o futuro deste país está nas mãos dos jovens. Olha que muitos jovens estão acanhados, muitos têm aquela vontade de ir a rua manifestar as suas vontades políticas, mas não podem. Tenho recebido muitos elogios vindos de todos lados”, disse.

Família Dhlakama activa na campanha da RENAMO

A campanha eleitoral deste ano da RENAMO é um pouco atípica, pela primeira vez veem-se nas caravanas de caça ao voto, principalmente na província de Sofala a presença da família directa de Afonso Dhlakama.

A viúva do antigo líder da RENAMO, Rosália Dhlakama e Elias Dhlakama – irmão mais novo de Afonso Dhlakama são os rostos mais visíveis. Aliás, os dois são candidatos a deputados do partido, na Assembleia da República.

A analista Fátima Mimbire entende que a aparição pública da família em atividades de campanha eleitoral transmite a ideia de que não há crispações no seio da RENAMO.

“Uma das grandes preocupações e críticas era se com o Ossufo Momade efectivamente a RENAMO avançasse e a família vem dar o ar à sua graça. Portanto eu acho que é uma estratégia política que tem o seu valor, mas se for na perspectiva de transmitir a real ideia de coesão dentro da RENAMO, de que a família Dhlakama reconhece as estruturas que estão a dirigir o partido”, analisa Fátima Mimbire.

Entretanto, Billal Sulay em nome da família Dhlakama reafirma que “nós apoiamos o presidente Ossufo Momade e sempre iremos apoiá-lo”, concluiu.

- Publicidade -
- Publicidade -

Angola: Onde estão os sindicatos no novo conselho de João Lourenço?

Convidado a integrar o novo Conselho Económico e Social de João Lourenço, o economista Carlos Rosado de Carvalho diz-se "surpreendido" com o número de...
- Publicidade -

Bancos africanos são vítimas do ‘rating’ dos países em que operam, diz Moddy’s

Em causa os efeitos e dificuldades resultantes da pandemia de covid-19. A agência de notação financeira Moody's alertou que a análise sobre a qualidade de...

Angola: “Liberdade, Justiça, Emprego, Educação”, pedem manifestantes

Centenas de angolanos saíram à rua para mostrar a sua insatisfação com o Governo e exigir mais empregos. Foi a segunda manifestação em Luanda...

Cardeal italiano demitido de Vaticano por suspeitas de desvio de fundos

O italiano Angelo Becciu, tido a data como um dos cardeais mais influentes do Vaticno, foi obrigado a renunciar ao seu cargo, devido à...

Notícias relacionadas

Angola: Onde estão os sindicatos no novo conselho de João Lourenço?

Convidado a integrar o novo Conselho Económico e Social de João Lourenço, o economista Carlos Rosado de Carvalho diz-se "surpreendido" com o número de...

Bancos africanos são vítimas do ‘rating’ dos países em que operam, diz Moddy’s

Em causa os efeitos e dificuldades resultantes da pandemia de covid-19. A agência de notação financeira Moody's alertou que a análise sobre a qualidade de...

Angola: “Liberdade, Justiça, Emprego, Educação”, pedem manifestantes

Centenas de angolanos saíram à rua para mostrar a sua insatisfação com o Governo e exigir mais empregos. Foi a segunda manifestação em Luanda...

Cardeal italiano demitido de Vaticano por suspeitas de desvio de fundos

O italiano Angelo Becciu, tido a data como um dos cardeais mais influentes do Vaticno, foi obrigado a renunciar ao seu cargo, devido à...

Mali: Presidente e vice-presidente de transição já tomaram posse

Esta sexta-feira, no Mali, vão tomar posse o novo presidente de transição, o general na reserva Bah N’Daw, e o novo-vice-presidente, o coronel Assimi...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.