- Publicidade-
InicioMundo LusófonoPortugal'Duelo' Rio e Costa nas rádios e debate a seis marcam 2.º...

‘Duelo’ Rio e Costa nas rádios e debate a seis marcam 2.º dia de campanha

DN|Lusa

O segundo dia da campanha eleitoral para as legislativas arranca hoje com um frente a frente entre António Costa e Rui Rio, de manhã, e termina com um debate televisivo, à noite, com os líderes dos partidos parlamentares.

O”duelo” entre o secretário-geral do PS, António Costa, e o presidente do PSD, Rui Rio, que será transmitido pelas rádios TSF, RR e Antena 1, está marcado para as 10:00, e deverá durar hora e meia.

António Costa e Rui Rio, que não têm anunciadas iniciativas de campanha para o resto do dia, voltam a encontrar-se para um novo debate, a transmitir pela RTP1 e RTP3, às 21:00, com os líderes dos restantes partidos com assento parlamentar, CDS-PP, BE, PCP e PAN.

Na campanha da CDU (PCP/Verdes/ID), o secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, participa numa sessão pública sobre transportes na estação de Santa Apolónia, Lisboa, e num almoço com investigadores no Clube Estefânia, também em Lisboa.

A habitação foi o tema escolhido pela coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, para o segundo dia de campanha, com uma sessão pública designada “prioridade à habitação”, que decorrerá no bairro dos Lóios, Lisboa.

Também em Lisboa e com um único ponto na agenda, além do debate, a presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, visita Unidade de Saúde Familiar Gerações, em Benfica.

Nas agendas dos partidos sem assento parlamentar, o Nós, Cidadãos! fará campanha no Jardim da Praça do Império, em Lisboa, o Chega faz uma caravana de distribuição de panfletos pela capital que parte do aeroporto, e o PCTP/MRPP apresentará o seu manifesto eleitoral, enquanto o RIR, liderado por Tino de Rans, estará na Rua de Santa Catarina, no Porto, para contactos com a população e lojistas.

As eleições legislativas realizam-se em 6 de outubro. Esta é a 16.ª vez que os portugueses serão chamados a votar em legislativas em democracia, incluindo as eleições para a Constituinte, em 1975, um ano após a “Revolução dos cravos”, em 25 de Abril de 1974.

- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.