Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Caso Chinguar: Julgamento retoma nesta segunda-feira

JULGAMENTO DO "CASO CHINGUAR" (FOTO: LEONARDO CASTRO)

Angop

O julgamento do “Caso Chinguar”, em que é arrolada como uma das co-ré a ex-administradora municipal, Beatriz Napende Diniz, retoma essa segunda-feira (23), no Tribunal Provincial do Bié.

A antiga administradora do Chinguar (2011/2018) está a ser julgada desde 16 de Agosto do ano em curso, por acusação e pronúncia de desvio de fundos públicos, peculato, associação criminosa, branqueamento de capitais, falsificação de documentos, participação em negócios e tráfico de influência.

No mesmo processo, sob número 219/2019, são, igualmente, arrolados outros 21 co-réus, acusados de defraudar o Estado angolano em 296 milhões, 711 mil e 773 de kwanzas.

Na última sessão de julgamento, realizada a 13 deste mês, a defesa reafirmou ter requerido ao Tribunal Provincial do Bié a necessidade de se ouvir o antigo governador provincial, Álvaro Manuel de Boavida Neto, pelo facto de a ré Beatriz Napende Diniz ter alegado, na fase de interrogatório, em instância judicial, “cumprimento de suas ordens”.

Falando à imprensa local, após ter terminado o último interrogatório, o advogado de defesa António Buta assegurou que a audição de Álvaro Manuel de Boavida Neto vai permitir esclarecer a verdade material dos factos, respeitando o Princípio do Contraditório, consagrado no Código de Processo Penal e demais legislações.

“Requeremos a audição do ex-governador nas próximas sessões, cabendo agora o Tribunal decidir se difere o pedido ou não, para se esclarecer os factos se terá dado ordens (…)”, tendo lembrado que, até a presente data, “Boavida Neto não foi constituido declarante, nem tão pouco testemunha”.

Durante a fase de produção de prova material (procura da verdade), a ex-gestora negou, na instância do juíz, qualquer responsabilidade nos crimes de que é acusada.

“Fiz tudo sob orientação do ex-governador Álvaro Boavida Neto, por via telefónica, com realce para a arrecadação de receitas do município, consubstanciadas na concessão de terras, licenças de obras e vedação”, realçou.

A ré, detida em Dezembro de 2018, informou que no exercício das funções observava sempre o preceituado na Constituição da República de Angola, Estatuto Orgânico, Lei de Terra, do Orçamento e da Contratação Pública.

Apesar de consultar o Guia de Administrador para a prática de actos administrativos, a ré admitiu que, por vezes, atropelava, em menor parte, a Lei de Execução Orçamental.

Confessou ter atropelado a lei de forma “voluntária, consciente e intencional, tendo em conta as circunstâncias da crise que assola o país desde 2014, altura em que o Tesouro Nacional não homologava a tempo as Ordens de Saque”.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »