Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

CIP: Financiamento da saúde em Moçambique não é transparente

Estudo do Centro de Integridade Pública aponta para falta de transparência na ajuda ao desenvolvimento a Moçambique, nomeadamente no financiamento ao sector da saúde. (DR)

Estudo do Centro de Integridade Pública aponta para falta de transparência na ajuda ao desenvolvimento a Moçambique, nomeadamente no financiamento ao sector da saúde. Organização aponta dificuldades de monitorização.

A análise do Centro de Integridade Pública (CIP), que compreende o período entre 2012 e 2018, escreve a DW, identifica que, nos últimos anos, o país registou uma dependência significativa do apoio dos parceiros externos para financiar intervenções no sector da saúde.

Entre 2012 a 2016, a ajuda teve um peso médio de 61% no financiamento das despesas correntes do sector da saúde, exceptuando o ano de 2015, em que chegou aos 84%.

O financiamento registou, no entanto, um abrandamento acentuado em 2016, “46% em relação ao ano anterior”, refere o investigador Ben Hur Cavelane. “Este abrandamento encontra a sua explicação dentro de um contexto da descoberta das dívidas ilegais, que precipitou assim a retirada dos parceiros de apoio programático”, sublinha.

Em 2017, o financiamento desceu para 32% e em 2018 voltou a registar-se uma queda para 23,3%.

Informação não é suficiente

“O CIP constata que, formalmente, o Governo reconhece a importância da transparência da ajuda”, diz Cavelane. “No entanto, evidências relacionadas com a disponibilidade de informação em plataforma, assim como a falta de publicação dos instrumentos e respectiva disponibilização ao público mostram que, na prática, não há cometimento com o assunto”, ressalva.

O investigador refere que o Ministério da Economia e Finanças, através dos relatórios anuais de execução orçamentais, apresenta alguma informação sobre o sector da saúde, só que não é suficiente para a monitorização por parte da sociedade civil e de outros grupos interessados.

Ben Hur Cavelane acrescenta que o Ministério da Saúde não divulga os relatórios do sector na página web e noutras plataformas, o que impede o acompanhamento da execução das despesas. O analista observa, igualmente, que se regista um défice na disponibilização de informação por parte dos doadores, que devia constar das plataformas disponíveis.

A culpa também é dos doadores

O estudo aponta também que, apesar dos doadores produzirem muita informação através da realização de auditorias e consultorias destinadas a avaliar até que ponto é que os sistemas nacionais são credíveis para fazerem a gestão dos fundos alocados, esta informação não é tornada pública.

O CIP recomenda uma estruturação e institucionalização dos instrumentos, mecanismos e plataformas domésticas específicos do sector da saúde e a definição de regras e requisitos dirigidos aos parceiros internacionais e ao Governo para melhoria da transparência.

Ben Hur Cavelane aponta ainda outras medida, como “reforçar os centros de custos para melhorar a gestão financeira, bem como a disciplina orçamental, por forma a garantir informação detalhada sobre a execução orçamental; garantir que as despesas sejam efectuadas com suporte documental adequado e devidamente arquivado; controlar e acompanhar a informação financeira dos parceiros e orientar os doadores relativamente aos procedimentos de prestação de contas”.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »