Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Eleições em Moçambique: Ilícitos eleitorais preocupam CNE

CNE preocupada com número elevado de ilícitos eleitorais e de actos de violência registados nos primeiros 15 dias da campanha eleitoral de Outubro próximo. (DR)

CNE preocupada com número elevado de ilícitos eleitorais e de actos de violência registados nos primeiros 15 dias da campanha eleitoral de Outubro próximo. CNE olha com apreensão para os restantes 28 dias da campanha.

Segundo avança a DW, o Presidente da Comissão Nacional de Eleições (CNE), Abdul Carimo, disse que a campanha para as eleições presidenciais, legislativas e provinciais de 15 de Outubro próximo, iniciada no dia 31 de Agosto, registou nos primeiros 15 dias, 33 de ilícitos eleitorais.

Os casos incluem a destruição de cartazes e panfletos, violação da liberdade de reunião, ofensas corporais voluntárias, pancadaria em cruzamentos de caravanas. A campanha resultou ainda em 14 mortos e dezenas de feridos, para além de 29 detidos.

Abdul Carimo descreveu este cenário de preocupante e afirmou que a CNE olha com apreensão para os restantes 28 dias da campanha.

Falta de diálogo

Para a plataforma eleitoral da sociedade civil “Sala da Paz” esta situação pode estar na origem da falta de diálogo entre os actores políticos, o desrespeito das normas de segurança e a grande fragilidade das instituições na aplicação da legislação eleitoral, penalizando apenas alguns partidos que cometem infracções. “Mas também temos a forma como os partidos políticos fazem o recrutamento dos seus agentes eleitorais”, afirmou o porta-voz da “Sala da Paz”, Dércio Alfazema.

“Estes são mobilizados para agir em função de estímulos imediatos. Quando é assim porque querem apresentar resultados estes desrespeitam a qualquer norma que possa existir.”

O porta-voz da Sala da Paz aponta algumas saídas.

“A saída passa por uma melhor orientação dos partidos em relação aos seus membros, simpatizantes e as pessoas que eles estão a contratar para trabalhar nessa campanha. Também passa por melhorar aquilo que são as normas de segurança e é importante também que os partidos passem a ser penalizados em função das infracções que eles próprios cometem, independentemente de quem seja o partido”.

Momade acusa

Entretanto, na província da Zambézia, o candidato da RENAMO às presidenciais, Ossufo Momade, acusou este domingo (15.09.) membros da FRELIMO de inviabilizarem a sua campanha em alguns pontos do país, como a vila sede de Nicoadala e a autarquia de Milange.

Ossufo Momade afirmou que estas acções comprometem o acordo de paz e acrescentou que vai contactar pessoalmente o Presidente Filipe Nyusi para abordar o assunto.

FRELIMO reage

Reagindo a esta acusação, o porta-voz da FRELIMO, Caifadine Manasse, disse a DW África que “em nenhum momento houve qualquer que seja orientação ( da FRELIMO) para impedir que a RENAMO faça a sua campanha. A RENAMO está no terreno, tem cobertura jornalística. É preciso repudiar qualquer atitude que está sendo trazida para fazer-se de vítima e poder granjear simpatias.”

Caifadine Manasse afirmou ainda que “achamos que o momento de campanha é um momento de festa e gostaríamos de chamar o presidente da RENAMO à razão, o assunto de paz é um assunto que todos nós moçambicanos devemos assumir com muita responsabilidade, não é um assunto que os partidos políticos podem assumir para fazer chantagem.”

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »