Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Operação Marquês: Ministério Público pede afastamento do juiz Rui Rangel

O Ministério Público (MP) avança com um “requerimento de recusa do juiz” do recurso da Operação Marquês, que segundo os jornais é Rui Rangel. (Foto: António Pedro Santos / Lusa)

A Procuradoria-Geral da República diz que o faz “por considerar existir motivo sério e grave, adequado a gerar desconfiança sobre a imparcialidade do magistrado judicial”.

Segundo avança a Renascença, o Ministério Público (MP) avança com um “requerimento de recusa do juiz” do recurso da Operação Marquês, que segundo os jornais é Rui Rangel.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) diz, em comunicado enviado à Renascença, que pede o afastamento “por considerar existir motivo sério e grave, adequado a gerar desconfiança sobre a imparcialidade do magistrado judicial”.
Em declarações à Renascença ao início da tarde desta sexta-feira, o juiz Rui Rangel tinha garantido que se lhe fosse distribuído um recurso do processo “Operação Marquês” pediria escusa.

Depois das notícias de que Rui Rangel tinha ficado com o recurso do processo Operação Marquês, o Conselho Superior da Magistratura (CSM) assegurou, em resposta à Renascença, que “existem mecanismos legais para assegurar a independência e a imparcialidade das decisões judiciais” do juiz e desafia as entidades competentes a acioná-los, de forma” a ficarem salvaguardadas a transparência e o bom funcionamento da Justiça”.

Em comunicado assinado pelo presidente do Supremo, que por inerência preside ao órgão disciplinar e de gestão dos juízes, o CSM não especifica quais são os mecanismos que podem ser acionados para impedir que Rui Rangel possa estar a tomar decisões em processos.

Mas fontes judiciais explicam que o Conselho Superior da Magistratura se poderia estar a referir à possibilidade de Rui Rangel pedir escusa ou do Ministério Público poder avançar um incidente de recusa do juiz.

Poderá também estar a ser dado o recado do presidente da Relação de que pode mudar o juiz Rui Rangel de secção, retirando-lhe os processos criminais, podendo também colocá-lo como assessor do Tribunal.

No âmbito da Operação Lex, Rui Rangel é suspeito de receber contrapartidas financeiras para decidir processos a favor de quem alegadamente lhe pagava. O juiz é também suspeito de influenciar decisões judiciais em processos entregues a outros juízes.
Rui Rangel esteve afastado dos tribunais durante mais de um ano, mas findo o prazo máximo para a suspensão preventiva, voltou ao trabalho na Relação de Lisboa no final de julho, tendo-lhe sido atribuídos por sorteio seis processos, entre os quais o da chamada “Máfia do Sangue”.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »