Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Julgamento do general “Zé Maria” retoma a 23 de Setembro

General Zé Maria, um dos homens fortes na era do ex-presidente José Eduardo dos Santos, no banco dos réus (DR)

O julgamento do ex-chefe do Serviço de Inteligência e Segurança Militar, António José Maria “Zé Maria”, retoma as sessões a 23 do mês em curso, com a audição dos declarantes.

Na sessão desta sexta-feira, escreve Angop, foi lida e corrigida a Acta da Audiência anterior, num julgamento em que o réu é acusado de extravio de documentos de carácter militar e de insubordinação.

Quinta-feira, o general Zé Maria confirmou, em tribunal, ter retirado os documentos referentes à batalha do Cuito Cuanavale, alegando que estava a concluir um trabalho de pesquisa sobre o percurso político, diplomático e militar de Angola no período de 1975 a 1988.

Ao ser interrogado pelo tribunal, na mesma sessão, o réu negou qualquer classificação desses documentos como secretos, por, no seu entender, não constituírem perigo à segurança nacional, apesar de reconhecer o seu carácter militar e titularidade do Estado angolano, que os adquiriu às autoridades sul-africanas, por montante superior a dois milhões de dólares norte-americanos.

Questionado sobre as razões que o levaram a transportar os referidos documentos para a Fundação Eduardo dos Santos (FESA), argumentou que é pretensão desta organização criar um centro de estudos estratégicos, no qual estava a trabalhar, dando primazia aos acontecimentos ocorridos na célebre batalha do Cuito Cuanavale.

Em relação ao mesmo assunto, o chefe-adjunto do Serviço de Inteligência e Segurança Militar, tenente general Carlos Felipe (Feijó), considerou secretos os documentos retirados pelo general António José Maria por conterem dados militares pertencentes às Forças Armadas sul-africanas.

Por isso, alertou para o perigo dessas informações caírem em mãos irresponsáveis e serem divulgadas, o que obrigaria as autoridades sul-africanas a mudar por completo os seus códigos e símbolos militares.

O Ministério Público reafirmou a acusação contra o ex-chefe do SISM. Segundo o despacho de pronúncia, em Novembro de 2017, o general António José Maria foi informado que seria exonerado das suas funções e consequente passagem à reforma pelo ministro da Defesa Nacional, Salviano Sequeira “Kianda”.

Após a sua exoneração, realça o despacho, o réu subtraiu documentos relativos à batalha do Cuito Cuanavale, província do Cuando Cubango, adquiridos com dinheiro retirado dos cofres do Estado.

António José Maria esteve à frente do Serviço de Inteligência e Segurança Militar (SISM) de 2009 a 2017.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »