Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Confrontos na RCA causaram “uma vintena de mortos”

Rebelde na República Centro-Africana. (Foto via.)

Confrontos entre dois grupos armados em Birão, no extremo nordeste da República Centro-Africana (RCA), que ocorreram no início do mês, causaram uma “vintena de mortos”, incluindo um civil, disse hoje o porta-voz da missão das Nações Unidas, escreve o JN que cita a Lusa.

Entre os dias 1 e 3 de setembro, os grupos armados do Movimento dos Libertadores Centro-Africanos para a Justiça (MLCJ) e da Frente Popular para a Renovação na República Centro-Africana (FPRC) envolveram-se em confrontos em Birão, a cerca de 60 quilómetros da fronteira entre a RCA e o Sudão.

Os confrontos entre os dois grupos armados, que assinaram o acordo de paz em Cartum em fevereiro, causaram “uma vintena de mortos”, inluindo um civil, explicou o porta-voz da Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização na República Centro-Africana (MINUSCA), Vladimir Monteiro.

“Deve haver um preço concreto a pagar por quem obstrua o processo de paz e o Governo está a pedir aos seus parceiros que implementem as sanções”, disse o porta-voz do Governo da RCA, Ange-Maxime Kazagui, numa conferência de imprensa conjunta com o porta-voz da MINUSCA.

Em 23 de agosto, o representante da ONU na República Centro-Africana, Mankeur Ndiaye, ameaçou sancionar “estritamente” as violações do acordo de paz.

“O acordo de Cartum não dá indicação do tipo de sanções. Um texto foi redigido, mas está a ser consolidado e é a partir deste documento que podemos tomar medidas”, precisou Vladimir Monteiro.

Apesar dos incidentes de Birão, o acordo de paz permanece.

“Não assinámos um acordo para destruí-lo logo ao primeiro problema. Como Governo responsável, não podemos fazer isso”, disse Ange-Maxime Kazagui.

A RCA caiu no caos e na violência em 2013, depois do derrube do ex-Presidente François Bozizé por grupos armados juntos na Séléka, o que suscitou a oposição de outras milícias, agrupadas sob a designação anti-Balaka.

O Governo centro-africano controla cerca de um quinto do território. O resto é dividido por mais de 15 milícias que procuram obter dinheiro através de raptos, extorsão, bloqueio de vias de comunicação, recursos minerais (diamantes e ouro, entre outros), roubo de gado e abate de elefantes para venda de marfim.

Um acordo de paz foi assinado em Cartum, capital do Sudão, no início de fevereiro pelo Governo e por 14 grupos armados. Um mês mais tarde, as partes entenderam-se sobre um governo inclusivo, no âmbito do processo de paz.

Portugal está presente na RCA desde o início de 2017, no quadro da MINUSCA, cujo 2.º comandante é o major-general Marcos Serronha, onde tem estado a 5.ª Força Nacional Destacada (FND), que regressa na quinta-feira a Lisboa, e militares na Missão Europeia de Treino Militar-República Centro-Africana, cujo 2.º comandante é o coronel Hilário Peixeiro.

A 5.ª FND, que teve a função de Força de Reação Rápida, integra 180 militares do Exército, na sua maioria elementos dos Comandos (22 oficiais, 44 sargentos e 114 praças, das quais nove são mulheres), e três da Força Aérea.

Parte na madrugada de quinta-feira para a RCA a 6.ª FND, que também vai assumir a função de Força de Reação Rápida da MINUSCA.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »