Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

CIP pede mais transparência nas parcerias público-privadas

Borges Nhamire: "Os projetos de parcerias público-privadas representam grandes prejuízos para o Estado" (DR)

É um problema pouco falado, mas que está a prejudicar o povo moçambicano, segundo o CIP: a falta de transparência nas parcerias público-privadas que beneficia a elite do país. Pesquisador Borges Nhamire pede mudanças.

O problema não é novo, mas continua a ser pouco falado, segundo Borges Nhamire, pesquisador do Centro de Integridade Pública (CIP) de Moçambique.

No país, parece haver uma falta de transparência crónica relativamente a projectos de parcerias público-privadas (PPP). O problema também não passa despercebido ao Tribunal Administrativo moçambicano. No parecer sobre a Conta Geral do Estado de 2017, o tribunal refere que “no âmbito das parcerias público-privadas, foi constatado que não há evidência de os sectores de tutela […] possuírem relatórios de desempenho dos empreendimentos realizados”.

Ainda assim, segundo Nhamire, nem a sociedade civil, nem os políticos do partido no poder ou sequer da oposição têm feito o suficiente para alumiar os negócios “ocultos” que estão a “prejudicar o Estado e o cidadão moçambicano”.

O pesquisador do CIP veio até Berlim para falar sobre os riscos das parcerias público-privadas, numa conferência que teve lugar esta terça-feira (10.09) na fundação Friedrich Ebert, na capital alemã. Em entrevista à DW, Borges Nhamire apela aos moçambicanos para pressionarem os dirigentes, exigindo “mais justiça e transparência” na concessão e gestão de projectos de PPP.

DW África: Em Moçambique, tem havido sobretudo bons ou maus casamentos entre os Estado e os privados?

Borges Nhamire (BN): Os casamentos são maus. Os projectos de parcerias público-privadas (PPP) representam grandes prejuízos para o Estado. Temos neste momento em Moçambique mais de uma dúzia de projectos, que são geralmente grandes projectos de gestão de infraestruturas públicas como portos, caminhos de ferro, estradas e pontes, com um problema comum de falta de transparência e integridade na forma como são concessionados. Podemos falar concretamente da gestão dos portos da Beira, de Maputo e de Nacala, ou de estradas como a N4, conhecida por Maputo-Witbank, e mais projectos, que em comum têm o facto de não prestarem contas. Neste momento, não se sabe quanto é que esses projectos têm de receitas e quanto pagam de impostos.

DW África: O povo moçambicano está a ser prejudicado com estas PPP?

BN: Certamente que está a ser prejudicado, porque, olhando para os poucos relatórios a que tivemos acesso, resultado do nosso trabalho de investigação, apurámos grandes prejuízos. Por exemplo, se olharmos para a gestão do porto de Nacala, que está concessionado à CDN (Corredor de Desenvolvimento do Norte), durante muito tempo, a gestão foi negativa, levando à degradação do porto. E o Estado teve de intervir recorrendo a um crédito externo de mais de 300 milhões de dólares, da JICA [Agência Japonesa de Cooperação Internacional], para poder reabilitar o porto. Ou seja, o Estado recorreu a dívida pública para financiar a reabilitação de um porto que está concessionado a uma entidade privada. Mas o cidadão também está a ser prejudicado. Podemos falar, por exemplo, das portagens instaladas na N4, em que se pratica preços muitos elevados, e não há uma prestação de contas de quanto é que a concessionária da estrada está a receber e quanto está a investir na manutenção da estrada. É um negócio oculto que está a prejudicar o Estado e o cidadão moçambicano.

DW África: Este é um tema suficientemente abordado pelos políticos?

BN: Não. É um tema que, infelizmente, é relegado para a margem da sociedade. Muitos moçambicanos não estão a debater isso. Os políticos não estão a debater isso, incluindo a oposição.

DW África: Acho que o Estado moçambicano poderá aprender com os erros até aqui?

BN: O Estado precisa que o povo moçambicano lute por isso. Não há conquistas que venham de bandeja. As elites políticas são beneficiárias das PPP. Se olharmos para os projectos de PPP há sempre a participação de pessoas ligadas ao poder, ligadas à direcção. Para falar de um caso concreto, na gestão do porto de Maputo, há uma empresa que faz parte do projecto, a Mozambique Gestores, com accionistas que incluem antigos Presidentes, ministros, deputados. A mesma coisa na gestão do porto de Nacala e na gestão do porto da Beira. Então, se o povo não se levantar e exigir mais justiça e transparência na gestão dessas infraestruturas que são da Nação, destas e das futuras gerações, não será o Estado a aprender sem que seja por pressão pública.

DW África: Que lições há a tirar em relação a esta questão?

BN: Das reuniões que temos cá, na Alemanha, a grande lição que há é a da possibilidade de uma parceria para a criação de uma espécie de coligação internacional para defender a transparência das PPP, pressionar um pouco instituições como o Banco Mundial, que é um dos principais financiadores das PPP, e vermos que, afinal, este é um problema global.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »