Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Revelada hoje pasta atribuída a Elisa Ferreira na Comissão Europeia

(Lusa)

DN|Lusa

A presidente eleita da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, vai anunciar hoje, em Bruxelas, a distribuição de pelouros entre os comissários que constituem o seu colégio, incluindo a pasta atribuída à comissária designada por Portugal, Elisa Ferreira.

Na segunda-feira, Von der Leyen já divulgou a lista com os nomes dos comissários europeus designados por cada Estado-membro e que tiveram o seu aval, mas reservou para hoje o anúncio da distribuição de pelouros.

Numa conferência de imprensa na sede do executivo comunitário, às 12h00 locais, menos uma em Lisboa, vai também explicar a forma como pretende que a Comissão Europeia trabalhe no mandato de cinco anos que terá início em 1 de novembro próximo.

Na lista com os nomes dos 26 comissários propostos pelos Estados-membros e que receberam o aval de Von der Leyen (o Reino Unido não designou nenhum comissário, dado ter prevista a sua saída do bloco europeu em 31 de outubro, na véspera da entrada em funções da nova Comissão Europeia) destaca-se o facto de o futuro colégio, que ainda terá de receber o aval do Parlamento Europeu, contar com uma paridade de género inédita: serão 14 homens e 13 mulheres.

A nível de atribuição de pastas, os governos nacionais têm mantido a discrição habitual nestes casos, dado caber à presidente eleita fazer o anúncio formal, e Portugal não foge à regra, com o primeiro-ministro a escusar-se a confirmar se Elisa Ferreira ficará responsável pela Política Regional, o portfolio que lhe tem sido apontado, e que inclui a gestão dos fundos estruturais e de coesão.

Na sexta-feira, em entrevista à Antena 1, o primeiro-ministro António Costa garantiu apenas que Elisa Ferreira assumirá uma pasta “importante para Portugal”, acrescentando que o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, partilha da mesma opinião.

A ‘Comissão Von der Leyen’ deverá contar com nove membros da maior família política europeia, o Partido Popular Europeu (PPE), entre os quais a própria presidente do executivo, 10 dos Socialistas Europeus (S&D, a sigla de Socialistas e Democratas), entre os quais a comissária de Portugal, seis dos Liberais (a nova aliança Renovar a Europa), e ainda um dos Verdes Europeus e outro dos Conservadores e Reformistas Europeus.

O ‘novo’ colégio contará com vários elementos ‘repetentes’, pois serão, à partida, sete os comissários que já fizeram parte do executivo comunitário liderado por Jean-Claude Juncker (2014-2019): o austríaco Johannes Hahn, a búlgara Mariya Gabriel, a dinamarquesa Margrethe Vestager, o holandês Frans Timmermans, o irlandês Phil Hogan, o letão Valdis Dombrovskis, a checa Vera Jourova.

‘Fechado’ o elenco executivo e atribuídas as pastas, cada comissário indigitado irá ser submetido ao escrutínio da respetiva comissão parlamentar (em alguns casos, mais do que uma) na assembleia europeia, respondendo a cinco perguntas escritas, antes de ser questionado exaustivamente durante três horas pelos eurodeputados, numa audição transmitida em direto.

Fonte parlamentar confirmou à Lusa que as datas de 30 de setembro a 08 de outubro para as audições dos comissários indigitados estão “praticamente confirmadas”, e se algum ou alguns dos comissários indigitados não “passarem” no crivo dos eurodeputados, poderão ser agendadas audições adicionais na semana de 14 de outubro, antes de o Parlamento Europeu se pronunciar em definitivo relativamente ao conjunto do colégio, o que deverá suceder em 22 de outubro.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »