Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Responsável quer autonomia para Museu dos Reis do Kongo

MUSEU DOS REIS DO KONGO (FOTO: ANGOP)

O responsável do Museu dos Reis do Kongo, Luntadila Lunguana, advogou, nesta terça-feira, em Mbanza Kongo, Zaire, a definição de um estatuto de autonomia administrativa e financeira.

Em declarações à Angop, o técnico local da cultura justificou que, com este estatuto, seria facilitado o processo de recuperação de peças furtadas do museu e a aquisição de outras novas de valor cultural excepcional.

Na visão do interlocutor, fica difícil convencer qualquer cidadão que tenha em sua posse uma peça retirada deste museu a devolve-la de forma gratuita, daí a necessidade da existência de um fundo próprio para assegurar este mecanismo.

Neste âmbito, defendeu a necessidade da rentabilização do serviço museológico, que passaria pela cobrança de entradas ao recinto ou seu interior por visitantes, cujas receitas se reverteriam para o pagamento de subsídios aos funcionários eventuais que prestam actividade de limpeza, jardinagem e preservação do seu acervo.

Afirmou que o museu vai ficando cada vez mais pobre, em termos de acervo, por falta de uma política de reposição das peças extraviadas, assim como a aquisição de novas.

Sugeriu, igualmente, a elaboração e aprovação de um plano de desenvolvimento, que considerou ser um instrumento fundamental para a concretização de uma política virada para a investigação científica que envolva a sociedade e a comunidade académica.

Considerou, ainda, haver exiguidade de espaço nas actuais instalações do museu que carece de salas para recepção, leitura, depósitos, tratamento e exposição de peças de reservas e de uma biblioteca de consulta.

O responsável informou que de Janeiro a Agosto do presente ano, o museu registou oito mil e 48 visitantes, entre nacionais e estrangeiros, dos quais quatro mil e 841 do sexo masculino e três mil e 207 do sexo feminino, menos dois mil turistas que o período homólogo de 2018.

Do número, 624 foram estrangeiros, com predominância para os cidadãos da República Democrática do Congo (392), Congo Brazzaville (14), Portugal (39), França e China, entre outros países.

Com 92 peças expostas e 16 em regime de reserva, o acervo do museu dos Reis do Kongo está repartido em quatro principais grupos de acordo à sua importância.

O primeiro grupo corresponde as peças que retratam aspectos históricos, geográficos e políticos, nomeadamente retratos, mapas sobre o território que abarcava o antigo Reino do Kongo e respectivos reis que passaram pelo trono, bem como o carimbo.

O segundo bloco espelha a organização socioeconómica do Reino do Kongo, nomeadamente o testemunho do domínio da tecnologia de fundição do ferro e do metal.

Quanto a terceira parte, o museu detém peças que testemunham o culto ancestral, nos domínios da música e comunicação à distância, enquanto o quarto grupo retrata a abertura do Reino do Kongo ao mundo ocidental.

O edifício principal que alberga o Museu dos Reis do Kongo foi no passado uma residência real construída em 1903, até a última sucessão do trono ocorrida na década de 1960. Após a independência nacional, a residência tornou-se como Museu do Reino do Kongo.

O recinto permaneceu encerrado durante anos devido ao conflito armado, tendo reaberto de forma definitiva em 2007, após beneficiar de obras de restauro e ampliação, passando desta feita a designar-se Museu dos Reis do Kongo.

O edifício está classificado como património cultural nacional, acto que antecedeu a elevação deste centro histórico e cultural como Património Cultural da Humanidade pela UNESCO, a 08 de Julho de 2017.

Projecto de novo Museu ainda em carteira

Um novo Museu, a denominar-se “Museu do Reino do Kongo”, está projectado para ser edificado em Mbanza Kongo nos próximos tempos, devendo reunir o espólio dos países que antes integravam o território Reino do Kongo: Angola, RDC, Congo Brazzaville e o Gabão.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »