Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Neta mata avó à paulada por causa de um cigarro

Imagem ilustrativa (DR)

Jornal de Angola|Weza Pascoal

Uma anciã de 60 anos foi assassinada a paulada no domingo, no bairro Boa Vida, arredores da cidade de Menongue, província do Cuando-Cubango, supostamente pela neta de 21 anos, por causa de um cigarro.

Segundo os familiares, a anciã Cristina Intumba vivia com a neta, Graça Intumba, que a criou desde os primeiros meses de vida e não entendem o que realmente levou a mesma a cometer o homicídio.

Eurico Luawa, também neto da vítima, explicou que, por volta das 23 horas de domingo, vizinhos da vítima foram até a sua residência informar que a prima estava a espancar brutalmente a avó.

“Quando chegamos ao local encontramos ainda a avó em vida, mas com sinais de espancamento em todo o corpo. Tentamos socorre-la para o hospital, mas, infelizmente, acabou por falecer”, disse.

Acrescentou que a vítima e a neta consumiam álcool frequentemente e que não foi a primeira vez que a neta a espancou por causa de um cigarro ou bebida.

Segundo o diagnóstico apresentando pelo Hospital Geral do Cuando- Cubango, Graça Intumba partiu a costela da avó de tanta surra que terá dado.

Além deste caso, a polícia registou o enforcamento do jovem João Calenga, 28 anos, pelo facto de ter sido acusado de matar a própria mãe. O incidente registou-se no bairro Novo, arredores da cidade de Menongue.

O irmão da vítima, Domingos Calenga, explicou que o irmão suicidou-se depois de o terem acusado, por alguns
familiares, de matar a própria mãe, através de práticas de feitiçaria.

“O meu irmão disse que não suportava viver. Estava com vergonha de encarar as pessoas e, por isso decidiu tirar a própria vida”, contou.

Domingos Calenga contou que a sua mãe ficou doente por muito tempo e João Calenga era quem cuidava de todos os irmãos e até da própria progenitora. “Agora que ele morreu não sabemos o que fazer para sobreviver e cuidar, sobretudo da minha irmã mais nova, que é deficiente física”, lamentou.

A psicóloga Maria Ema da Silva disse que muitos homicídios que têm ocorrido na nossa sociedade, nos últimos tempos, devem merecer uma atenção especial, no sentido de inverter o actual quadro, que considerou preocupante.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »