Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Maduro diz que Colômbia tentou recrutar militares venezuelanos

Nicolás Maduro, com baixa popularidade, conta com o apoio dos militares, da Rússia, China e Cuba para seguir no poder (Venezuelan Presidency/AFP / HO)

AFP

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou nesta segunda-feira que o governo colombiano tentou “afetar” seu sistema de defesa recrutando militares venezuelanos, em meio à crescente tensão entre os dois países.

“Nos últimos três meses tentaram, a partir da Inteligência do governo colombiano, cooptar suboficiais e oficiais venezuelanos para afetar nosso sistema de radares, sistema de defesa aérea e seus aviões, sistema de defesa antiaérea e o sistema de mísseis”, afirmou Maduro em rede nacional de rádio e TV.

“Felizmente, os serviços de inteligência e o moral entre os nossos (…) soldados pode deter e afastar estas pretensões de penetrar a capacidade de defesa da Venezuela”, disse Maduro após reunir o gabinete e o alto comando militar.

Em até 42 ocasiões a Inteligência colombiana, com a colaboração de “traidores” venezuelanos, tentou recrutar militares, afirmou Maduro, que voltou a elevar o tom contra o governo do presidente Iván Duque, com o qual rompeu relações em fevereiro passado, pelo apoio de Bogotá ao líder opositor Juan Guaidó.

“No Palácio de Nariño (em Bogotá) há um governo que odeia a Venezuela (…) e que responde às orientações que chegam de setores ‘guerreristas’ que aspiram a um conflito armado entre os dois países”, denunciou Maduro.

No final de agosto, Duque acusou o governo Maduro de “abrigar” e “apoiar” dissidentes da extinta guerrilha das Farc.

Nesta terça-feira, a Força Armada venezuelana iniciará manobras militares na fronteira com a Colômbia, por ordem direta de Maduro.

“Soldados, chegou a hora de se defender a soberania nacional”, declarou Maduro, acrescentando que dos exercícios participarão “todos os chefes militares” e o próprio presidente.

Na noite desta segunda-feira, o departamento americano de Estado informou que os EUA e outros países da região invocarão o Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR) de defesa diante da crise na Venezuela.

“Onze países, incluindo os Estados Unidos e o governo interino de Juan Guaidó estão pedindo a invocação do Tratado do Rio para confrontar a crise que Maduro provocou”.

O TIAR é um acordo regional de defesa militar mútua que fornece base legal para eventual intervenção externa. O acordo é integrado por Brasil, Argentina, Bahamas, Chile, Colômbia, Costa Rica, Estados Unidos, El Salvador, Guatemala, Haiti, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Trinidad e Tobago, Uruguai e Cuba.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »