Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Estado encaixa 16 milhões com privatizações na ZEE

(DR)

Jornal de Angola| Leonel Kassana

O Estado angolano obteve um encaixe de 16 milhões de dólares com a privatização de cinco unidades industriais da Zona Económica Especial (ZEE) Luanda-Bengo, cujos contratos foram assinados pelos novos proprietários e o Instituto de Gestão de Activos e Participações do Estado (IGAPE).

O valor destas unidades, nas quais o Estado empregou cerca de 30 milhões de dólares, está ligeiramente abaixo das expectativas iniciais, como reconheceu o presidente do Conselho de Administração do IGAPE, Valter Barros. “É o valor que o mercado ofereceu e nós decidimos fechar o processo com as ofertas apresentadas”, sublinhou.

Valter Barros acrescentou que esse foi o resultado possível, mas que o grande desafio vem a seguir, com o arranque das unidades industriais, sobre as quais, acredita, que haverá ainda novos investimentos. “O objectivo é que essas empresas criem empregos, paguem os seus impostos e façam parte da economia angolana”, sublinhou.

A assinatura de contratos precede um concurso público aberto em Fevereiro, com a recepção das manifestações de interesse, após ao que ocorreu um processo de qualificação para a apresentação das propostas, que foram avaliadas por uma comissão de negociação.

O presidente do Conselho de Administração do IGAPE destacou a “estabilidade” com que o concurso para a privatização das empresas decorreu, dizendo que o mesmo foi “aberto com transparência e com toda a lisura”.

Nessa, que foi a primeira de privatização de fábricas da ZEE, a Angolissar comprou a Carton, que se dedica à produção de embalagens, a Azoria ficou com a Indugited (produtos de higiene e detergentes), enquanto a Ecoindustry é a nova proprietária da Juntex (cimento cola).

As indústrias de produção de vidro Univitro e de cobertores Coberlen foram compradas pela Zeepack Angola, Lda. Destas unidades, apenas uma, a Univitro, está em pleno funcionamento, de acordo com informações do IGAPE.

Na ZEE deverão ser alienadas 52 unidades industriais, 23 das quais na segunda fase, este ano, segundo o responsável do IGAPE, que destacou a colaboração entre a ZEE e a Sociedade de Investimentos Industriais (SIIND).

O Governo desenvolve um programa de privatização que deve levar, até 2022, à alienação de 195 empresas até aqui detidas ou participadas pelo Estado, 80 das quais este ano.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »