Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

México afirma que reduziu em 56% o fluxo migratório para os EUA

(Arquivo) O ministro das Relações Exteriores do México, Marcelo Ebrard. (AFP / Mark RALSTON)

O fluxo migratório de imigrantes sem documentados para os Estados Unidos, principalmente oriundos da América Central, foi reduzido em 56% desde maio, disse o ministro das Relações Exteriores do México, Marcelo Ebrard.

O diplomata, escreve a AFP, viajará a Washington para rever acordos sobre a questão depois das ameaças do presidente Donald Trump de impor tarifas se esse problema não fosse resolvido.

“O México seguirá essa estratégia. Não espero uma ameaça tarifária porque há uma redução (de migração) de 56%. Pedimos ao governo dos Estados Unidos que apoie a estratégia do México”, declarou Ebrard na coletiva matinal do presidente Andrés Manuel. López Obrador.

O ministro das Relações Exteriores reiterou que o México não aceitará ser um país terceiro seguro, ou seja, acolher os migrantes sem documentados que solicitam asilo nos Estados Unidos e que essa foi uma das principais reivindicações de Washington nessas negociações.

“A estratégia mexicana está funcionando, não vamos aceitar ser um país terceiro seguro … porque isso vai contra os interesses do México. É injusto com o nosso país”, afirmou.

Ebrard disse ainda que não sabe se Washington insistirá nessa reivindicação durante a reunião que realizará na terça-feira com o vice-presidente americano Mike Pence e o secretário de Estado Mike Pompeo na Casa Branca, “mas a resposta do México já é conhecida”.

O ministro das Relações Exteriores enfatizou que reiterará às autoridades americanas que a estratégia para combater a migração irregular deve ser promovida com o desenvolvimento económico da América Central.

“Queremos que seja um relacionamento de amizade, de cooperação para o desenvolvimento de ambos os países”, afirmou López Obrador.

Em 7 de Junho, o México se comprometeu com os Estados Unidos a tomar “medidas sem precedentes” para conter a migração, depois que Trump ameaçou aplicar tarifas sobre as exportações do país se o governo mexicano não reduzir o fluxo de migrantes, principalmente de América Central, buscando alcançar os Estados Unidos.

O compromisso, explicou o chanceler, implicou que o México enviasse 25.451 soldados às fronteiras norte e sul para controlar a passagem das ondas de migrantes.

Após o acordo de 7 de Junho, foi realizada uma primeira avaliação aos 45 dias e a segunda, aos 90 dias, acontecerá na próxima semana.

Trump, que fez do discurso contra a migração uma das questões dominantes de seu governo, até agora ficou satisfeito com as acções.

Mas na terça, o Pentágono anunciou nesta que destinará 3,6 biliões de dólares para a construção de um trecho de 280 km do muro na fronteira entre Estados Unidos e México, atendendo ao pedido do presidente Trump.

O comunicado destacou que verba servirá para reforçar segmentos de uma barreira já existente, mas considerada insuficiente, e para construir novos trechos.

Os trechos estão no Arizona, na altura da cidade de Yuma, na Califórnia, próximos a El Centro e San Diego; e no Texas, nas zonas de Laredo e El Paso.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »