- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo África Director de gabinete de Tshisekedi acusado de desviar 15 milhões de dólares

Director de gabinete de Tshisekedi acusado de desviar 15 milhões de dólares

Vital Kamere, o influente director de gabinete do Presidente Félix Tshisekedi, está a ser acusado de ter desviado 15 milhões de dólares americanos, tirados das receitas petrolíferas, noticia a AFP.

Segundo esse órgão de informação francesa, tudo começou quando o Tesouro público depositou 100 milhões de dólares à empresas petrolíferas, para compensar as suas perdas, em que o Estado deveria recuperar um desconto de 15 % do mesmo valor.

Um relatório da Inspecção-geral das Finanças, datado de 17 de Julho, que a AFP teve acesso, denuncia que o desconto não beneficiou ao Estado.

“Os 15% foram depositados numa conta de um “Comité de monitorização dos produtos petrolíferos”, uma irregularidade que viola as disposições legais e os regulamentos que regem as finanças públicas”, sublinha o relatório.

Porém, um outro documento intitulado ‘’Extrato de contas’’, carimbado pelo banco privado, “Raw Bank”, que circula nas redes sociais, mostra que tal depósito foi efeito a 20 de Junho de 2019, na conta do comité de monitorização dos preços dos produtos petrolíferos.

Recorde-se que foi em Julho último, que a Inspecção-geral das finanças recomendou investigar o caso, depois da suspeita de desvio do valor acima, citando Vital Kamerhe como o responsável.

Segundo esse órgão de informação francesa, as ONG nacionais congolesas questionam-se sobre o papel de Vital Kamerhe, no desvio do valor do Tesouro público.

Nos meados de Agosto, a Agencia Nacional de Reconhecimento (ANR), Serviços Secretos da RDC, instaram a Inspecção-geral das finanças a auditar as despesas dos ministérios do governo cessante do Primeiro-ministro, Bruno Tshibala.

Na altura especulava-se que o inquérito visava a gestão das finanças públicas pela Presidência da República.

O Movimento para a cidadania, Luta para a Mudança (LUCHA), anunciou “uma marcha pacífica, marcada para esta quarta-feira, 06 de Setembro, para pedir contas à Presidência da República, que já foi proibida pelas autoridades de Kinshasa.

Vital Kamehe, de 60 anos, uma pedra bazilar de Kabila, durante as negociações inter-congolesas para a pacificação da RDC, foi simultaneamente, ministro da Comunicação Social do governo de Transicão (2004 a 2006), e presidente da Assembleia Nacional, no consulado de Joseph Kabila, de 2007 a 2009.

Em contradição com o antigo chefe do Estado, por causa da entrada de tropas rwandesas na RDC, em 2009, sem a autorização do Parlamento, o mesmo foi forçado a demitir-se do cargo.

Em 2010, fundou o partido União para a Nação Congolesa (UNC) e, na eleição presidencial de Novembro de 2011, saiu em terceiro lugar, atrás de Etienne Tshisekedi Wa Mulumba, pai do actual Presidente da República.

Durante o encontro dos opositores políticos, na Suíça, em Novembro de 2019, foi o mentor do abandono do acordo sobre a escolha de Martin Fayulu como candidato único do LAMUKA, tendo criado o CACH com Félix Tshisekedi, que viria a ganhar a eleição presidencial, uma vitória considerada controversa, depois das várias sondagens terem atribuído vitoria à Martin Fayulu.

Caso as acusações se confirmem, elas seriam um balde de água fria na governação de Tsisekedi, que no seu programa prometeu com bater seriamente a corrupção, mas cujo executivo é maioritariamente dirigido pela Frente Comum para o Congo (FCC), de Joseph Kabila.

- Publicidade -
- Publicidade -

Beto Kaputo: “Fugimos com a farda e as armas portuguesas a partir de Cabinda”

“Boa tarde, eu sou o Beto Kaputo”. Foi assim que a equipa do Jornal OPAÍS foi recebida na residência deste general de três estrelas,...
- Publicidade -

Empresário condenado na Suíça por corrupção de quadros da Sonangol

A justiça suíça condenou ex-administrador de uma empresa holandesa, que reside em Portugal, por corrupção de vários quadros da petrolífera estatal angolana Sonangol. 5,8...

Ministério da Educação descontente com a suspensão das aulas presenciais na Escola Portuguesa de Luanda

O Ministério da Educação (MED) angolano reagiu com "surpresa" e "desagrado" à decisão da Escola Portuguesa de Luanda de suspender as aulas presenciais, a...

BAI concede 31% da carteira de crédito ao sector imobiliário

O Banco Angolano de Investimentos (BAI) concedeu, ao longo dos seus 24 anos de existência, empréstimos anuais de 31% da sua carteira de crédito...

Notícias relacionadas

Beto Kaputo: “Fugimos com a farda e as armas portuguesas a partir de Cabinda”

“Boa tarde, eu sou o Beto Kaputo”. Foi assim que a equipa do Jornal OPAÍS foi recebida na residência deste general de três estrelas,...

Empresário condenado na Suíça por corrupção de quadros da Sonangol

A justiça suíça condenou ex-administrador de uma empresa holandesa, que reside em Portugal, por corrupção de vários quadros da petrolífera estatal angolana Sonangol. 5,8...

Ministério da Educação descontente com a suspensão das aulas presenciais na Escola Portuguesa de Luanda

O Ministério da Educação (MED) angolano reagiu com "surpresa" e "desagrado" à decisão da Escola Portuguesa de Luanda de suspender as aulas presenciais, a...

BAI concede 31% da carteira de crédito ao sector imobiliário

O Banco Angolano de Investimentos (BAI) concedeu, ao longo dos seus 24 anos de existência, empréstimos anuais de 31% da sua carteira de crédito...

Xadrez: Angola conquista Zonal Africano

A Selecção Nacional de xadrez conquistou o Zonal Africano 4.5, da região da SADC, com 16 pontos, em prova cujo resultado foi confirmado mais...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.