Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Novo atentado-suicida em Cabul causa 10 mortos

Veículos danificados na sequência do atentado-suicida em Cabul neste dia 5 de Setembro de 2019. (Reshad Sharifi via REUTERS)

RFI | Liliana Henriques

A capital do Afeganistão foi novamente palco de um atentado suicida que causou pelo menos 10 mortos, entre os quais dois militares, um americano e um romeno, bem como 42 feridos. Este ataque com carro armadilhado reivindicado pelos talibãs segue-se a um primeiro na segunda-feira que causou 16 mortos, também ele com assinatura dos talibãs, num momento em que estão prestes a finalizar um acordo com os Estados Unidos para a retirada progressiva das tropas americanas do país.

O ataque com carro armadilhado aconteceu esta manhã em Shash-Darak, bairro de Cabul teoricamente considerado seguro. Ao reivindicar o ataque, via Twitter, os talibãs afirmaram que visava “invasores estrangeiros” e que tinha morto “12 invasores e 8 membros da Direcção Nacional da Segurança”. Este ataque acontece pouco depois de os mesmos talibãs reivindicarem outro atentado suicida ocorrido igualmente na capital na segunda-feira no qual morreram 16 pessoas.

Estes ataques acontecem numa altura em que tanto os talibãs como os Estados Unidos afirmam estar perto de um acordo que poderia colocar termo a 18 anos de conflito. Segundo analistas, a estratégia dos talibãs consiste em aumentar a pressão sobre os americanos precisamente nesta altura crucial.

Segundo primeiros elementos relativos às negociações nas quais o governo afegão não está representado, o projecto de acordo de paz entre os Estados Unidos e os talibãs prevê a retirada progressiva, no prazo de 135 dias, de cinco bases nas quais o exército americano está presente. Na sequência dessa primeira etapa, permaneceriam 8600 soldados no país, contra 13 a 14 mil actualmente. Em troca, os talibãs estariam dispostos a impedir toda e qualquer actividade terrorista no país e também encaminhar um diálogo com o actual governo. Uma perspectiva que todavia não inspira confiança ao governo que receia um eventual recuo dos talibãs depois de os americanos cumprirem a sua parte desse hipotético acordo.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »