Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Amazónia: como a Humanidade pode proteger seus ‘espaços vitais’

(Arquivo) O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) informou nesta semana que o desmatamento na Amazônia brasileira totalizou 2.254 km² em julho, 278% a mais do que no mesmo mês de 2018 (596,6 km²) (AFP/Arquivos / CARL DE SOUZA)

AFP

Os incêndios e o desmatamento na Amazónia, objecto de uma reunião na sexta-feira (6) de seis países da América do Sul na Colômbia, trazem a questão: como a Humanidade pode proteger os seus “espaços vitais”?

5 de Agosto de 2025: O presidente americano, Gavin Newsom, apoiado por uma “coligação de Estados”, anuncia que deu uma semana ao Brasil para parar o desmatamento na Amazónia. Caso contrário, ele ordenará um bloqueio naval e ataques aéreos.

Stephen Walt, professor de Relações Internacionais da Harvard Kennedy School, reconhece que esse cenário, que ele descreveu recentemente para a revista Foreign Policy, é “exagerado”, mas merece atenção pela seguinte questão: “Até onde iríamos para evitar danos ambientais irreversíveis?”.

Ressaltando, em entrevista à AFP, que não recomenda a intervenção militar, o professor enfatiza que “a ONU há muito tempo considera que os danos ao meio ambiente são uma ameaça à paz e à segurança internacionais”, condições estabelecidas no artigo 42 da Carta para “usar a força”.

O ex-líder russo Mikhail Gorbachev já havia apresentado a ideia de um Conselho de Segurança Ecológica na ONU, com o envio de capacetes verdes. Essa ideia permaneceu letra morta.

“Está cada vez mais estabelecido que existe um vínculo entre meio ambiente e paz”, afirma Yann Aguila, presidente da Comissão de Meio Ambiente do Clube de Juristas, na França.

“Al Gore não recebeu o Prémio Nobel da Paz por sua luta contra o aquecimento global?”, lembra o advogado do escritório parisiense Bredin Prat, para quem “a soberania é como a propriedade, termina onde começa a dos outros”.

O presidente francês, Emmanuel Macron, não pensou diferente quando chamou de “crise internacional” os incêndios na Amazónia.

– Convenções regionais –

Mas “a pressão dos países ocidentais pode ser contraproducente”, alerta Lucien Chabason, consultor da Direcção do Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Relações Internacionais (IDDRI), um instituto de pesquisa independente com sede em Paris.

A forte reacção do presidente brasileiro nacionalista Jair Bolsonaro, denunciando as intenções “colonialistas” da intervenção de Macron, lembraram essa sensibilidade.

É por isso que o IDDRI favorece o estabelecimento de convenções regionais de protecção “que possibilitem envolver os países envolvidos, tornando-os mutuamente solidários”, ressalta Chabason.

Tais acordos provaram ser eficazes, como a Convenção para a Protecção do Reno (1999, cinco Estados mais a UE), que permitiu tomar banho hoje em muitas partes do rio.

Convenções regionais semelhantes podem ser úteis no caso amazônico, acredita o presidente do Centro Internacional de Direito Ambiental Comparado, Michel Prieur, citando o pacto da Amazónia em 1978.

“Este pacto pode ser suficiente, mas desde que seja usado. Não haverá uma convenção internacional amanhã de manhã. Devemos nos servir do que existe”, estima o professor.

Estabelecer novos mecanismos é de fato um desafio, pois cria “espaços vitais para a humanidade”.

– “Ecocídio” de efeito bumerangue –

“Isso levanta o problema da governança, gestão e responsabilidade de cada Estado na gestão e protecção desses espaços comuns”, alerta Martina Torre-Schaub, especialista em Direito Ambiental da Universidade de Paris Panthéon-Sorbonne.

Igualmente impraticável é o reconhecimento de “ecocídios”, segundo Torre-Schaub, porque “envolveria a identificação de um responsável”.

“Mas, muitas vezes, os actos se acumulam ao longo do tempo, são difíceis de identificar e não há um único culpado, ou responsável”, diz.

É improvável que esse conceito veja a luz do dia quando tem um efeito bumerangue: os ocidentais “poderiam ser processados”, se o ecocídio for imprescritível, como o crime contra a Humanidade, pelos danos causados anteriormente ao meio ambiente, alerta Chabason.

Em vez de coerção, a solução poderia realmente ser o incentivo.

“Os Estados que administram de forma sustentável territórios sensíveis podem ser pagos para preservá-los pelo interesse da Humanidade”, aponta Stephen Walt.

O ex-presidente equatoriano Rafael Correa havia proposto em 2007 não operar o parque Yasuni, com grandes reservas de petróleo, em troca de fundos equivalentes ao valor desse recurso. Mas essa proposta fracassou, e a licença de operação foi finalmente concedida em 2013.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »