Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Maduro acusa Colômbia de incitar conflito e coloca Venezuela em ‘alerta’

ONU já denunciou vários tipos de tortura do regime de Maduro. (PRENSA MIRAFLORES / HANDOUT/EPA)

AFP

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou nesta terça-feira o governo da Colômbia de utilizar a mobilização de dissidentes da extinta guerrilha das Farc para uma “manobra” visando “começar um conflito militar” entre os dois países, e decretou “alerta” na fronteira.

“O governo da Colômbia não apenas meteu a Colômbia numa guerra que recrudesce, mas agora pretende uma armação para agredir a Venezuela e começar um conflito militar contra nosso país”, disse Maduro, acusado por Bogotá de apoiar líderes guerrilheiros.

O presidente fez a advertência em um ato no qual ordenou à Força Armada a declarar “alerta” na fronteira com a Colômbia diante da “ameaça de agressão”.

“Ordenei ao Comandante Estratégico Operacional da Força Armada”, almirante Remigio Ceballos, “e a todas as unidades militares da fronteira que declarem um alerta laranja diante da ameaça de agressão da Colômbia contra a Venezuela”.

Maduro, que não precisou o que implica um “alerta laranja”, culpou Bogotá por provocar uma “escalada” com acusações falsas.

O presidente também convocou exercícios militares na fronteira binacional entre 10 e 28 de setembro para “afinar todo o sistema de armas, todo o sistema operacional”.

O líder colombiano, Iván Duque, acusou Maduro de abrigar um grupo dissidente das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) que, liderado por Iván Márquez, ex-número dois do movimento guerrilheiro, anunciou no final de agosto a retomada da luta armada.

O governo de Duque “quer acusar a Venezuela de ser a causa de uma guerra de 70 anos na Colômbia (…). Essa guerra é da Colômbia e, lamentavelmente, está recrudescendo, apesar dos acordos de paz”, respondeu Maduro.

Em maio, Maduro decretou um “alerta máximo” da Força Armada diante de uma possível “escalada militar”, após a Colômbia acusar a Venezuela de ser refúgio para mais de mil combatentes da guerrilha do Exército de Libertação Nacional (ELN).

Desde que assumiu o poder, após a morte do líder socialista Hugo Chávez, em 2013, Maduro faz frequentes denúncias sobre planos dos Estados Unidos e de seus aliados regionais, incluindo Colômbia, para derrubá-lo e assassiná-lo.

Já o líder opositor Juan Guaidó, chefe do Parlamento e reconhecido como presidente interino da Venezuela por mais de 50 países, prometeu colaborar com a Colômbia para localizar os “grupos irregulares” na Venezuela.

“Vamos colaborar com o governo colombiano para atividades de Inteligência, detecção destes grupos que estão operando de maneira irregular”.

Segundo ele, o Parlamento venezuelano vai autorizar o uso de tecnologia de satélite para localizar “acampamentos alojados em território nacional” e lugares de “decolagem de aeronaves para o tráfico ilícito de drogas”.

“Vamos nos aliar ao mundo democrático para enfrentar esta ameaça aos venezuelanos, à nossa soberania”, exclamou Guaidó, que disse ter conversado com o presidente Iván Duque para avançar nesta cooperação.

De qualquer maneira, não está claro como Guaidó vai implementar essa colaboração, já que, na prática, ele não tem controle sobre o aparelho do Estado e das Forças Armadas, leais a Maduro.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »