Radio Calema
InicioMundo LusófonoMoçambiqueZambézia: Início de campanha eleitoral com apelos à paz

Zambézia: Início de campanha eleitoral com apelos à paz

Na Zambézia, centro de Moçambique, analistas dizem que a campanha arrancou num ambiente de civismo. Representantes da sociedade civil apelam à paz. Os observadores não apontam nenhum favorito ao cargo de governador.

De acordo com a DW, os cabeças-de-lista dos três principais partidos são Manuel de Araújo, da RENAMO, Pio Matos, da FRELIMO, e Luís Boa Vida, do Movimento Democrático de Moçambique.

Construir fábricas, restaurar a riqueza da província, melhorar a vida da população – são estas algumas das promessas dos candidatos a governador na província da Zambézia.

No campo de futebol do bairro Chirangado, em Quelimane, o candidato do maior partido da oposição, a RENAMO, prometeu investir na indústria se for o escolhido para governar a Zambézia: “Desde 1975 quantos anos passaram? 44 anos que este pais está independente, mas nós nunca tivemos a possibilidade de escolher um filho nosso para dirigir a província. A Zambézia era a província mais rica do país, cerca de um terço da riqueza deste pais era produzida na Zambézia!”, afirmou Manuel de Araújo.

Desenvolvimento e união da província

Também na cidade de Quelimane, no campo de futebol da Sagrada, Pio Matos, da FRELIMO, apelou ao desenvolvimento e
à união da província: “Meus irmãos, minhas irmãs, meus amigos, esta caminhada deve ser de paz, juntos e unidos vamos combater a pobreza, vamos criar riqueza e vamos desenvolver a nossa província”, afirmou o candidato do partido no poder.

“População e Gorué motivada”

Já Luís Boa Vida, do MDM, deu início à sua campanha longe da capital da província. No distrito de Gurué, norte da Zambézia, o candidato a governador do Movimento Democrático de Moçambique contou com a ajuda de Daviz Simango, presidente do partido.

Daviz Simango, presidente do MDM, foi fazer campanha no distrito de Gurué, norte da Zambézia.

“A população do Gurué é do MDM e esta motivada!”, disse Simango. E adiantou: “O essencial é que o cidadão moçambicano às urnas dia 15 de Outubro e vote no MDM, pois onde o MDM Governa a vida da população melhora.”

As caravanas e cortejos políticos dos primeiros dias de campanha decorreram sem incidentes. Um bom sinal, na opinião do politólogo Ricardo Raboco: “Comparativamente aos processos passados este arranque é de salutar. O nível de protecção das caravanas é agora muito mais elevado que nos anteriores processos eleitorais.”

O analista, ouvido pela DW, é de opinião que esta segurança reforçada é um importante mecanismo que permite a prevenção de conflitos entre grupos pertencentes aos diferentes partidos políticos. “Medidas de segurança numa luta eleitoral inédita que promete ser renhida”, conclui Ricardo Raboco.

Habitantes da Zambézia não poupam críticas

Entretanto, alguns cidadãos da Zambézia, ouvidos pela DW África, denunciam ilícitos eleitorais: “Gostaria que as eleições decorressem bem sem luta desonesta: alguns partidos tapam os cartazes dos outros, colam panfletos na bandeira dos outros, isso não é bom”, diz Feliz Mussa. E Franquilim Júlio exprime o seguinte desejo: “Gostaria que a campanha fosse boa, pacifica e tranquila, para que, quando chegarmos à fase da votação, possamos votar sem confusão”.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.