Radio Calema
InicioAngolaSociedadeFilha de missionários brasileiros assassinada no Huambo

Filha de missionários brasileiros assassinada no Huambo

A filha de um missionário brasileiro da Igreja Baptista foi brutalmente assassinada, na madrugada de sábado, supostamente pelo ex-namorado, que a terá raptado quando saía do serviço, na cidade do Huambo.

Trata-se de Yelissa Mendes, de 24 anos, finalista do curso de Literatura Inglesa pelo Instituto Superior de Ciências da Educação (ISCED) e professora de inglês, cuja morte eleva para dois o número de assassinatos, na cidade do Huambo, por questões passionais, na mesma semana.

A outra vítima, escreve o JA, é Lúcia Henriqueta Abel, 29 anos, assassinada pelo namorado, no interior de uma residência no bairro Chipachiwa, arredores da cidade da Caála (Huambo), na sequência de uma briga motivada por ciúmes.

De acordo com uma fonte familiar citada pela Angop, às 20h40 de sexta-feira, a vítima enviou mensagem aos familiares a comunicar que, apesar de ter saído cedo do serviço, chegaria tarde a casa, por ter sido convidada pelo ex-namorado que pretendia liquidar uma dívida financeira.

Na mensagem, segundo a fonte citada pela Angop, Yelissa explica que a dívida devia ser paga no bairro do Cambiote, oito quilómetros da cidade do Huambo, para onde se deslocaria com o ex-namorado, tendo de seguida desligado o telefone, o que deixou a família preocupada.

Segundo a Angop, o corpo da vítima foi encontrado por detrás de uma árvore caída, nas proximidades da floresta do Sacaála, arredores da cidade do Huambo, enquanto a sua viatura foi encontrada no interior da Lagoa do R21, a uma distância de 10 quilómetros a sudeste do local do crime.

O porta-voz da Polícia Nacional na província do Huambo, inspector-chefe Paulo Chindele Cassinda, disse tratar-se de “um crime de homicídio qualificado, sob a forma consumada”.

O oficial informou que o suposto homicida, o ex-namorado, encontra-se sob custódia das autoridades policiais, enquanto decorre a instauração do processo-crime para, posteriormente, ser remetido ao Ministério Público.

Siga-nos

0FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

Notícias relacionadas

- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.