Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Moçambique: Filipe Nyusi pede convivência pacífica durante a campanha eleitoral

Filipe Nyusi (DR)

Presidente apelou à convivência pacífica entre os partidos políticos durante a campanha eleitoral que arrancou este sábado (31.08). Nyusi abriu sua campanha no centro do país.

“Exortamos a todos os cidadãos a participarem de forma ordeira, exemplar e íntegra na campanha eleitoral, tornando-a num momento de festa e de aprofundamento da nossa democracia, da paz, tolerância e convivência pacífica entre os moçambicanos,” lê-se num comunicado da Presidência da República distribuído à imprensa este sábado (31.08), no início da campanha eleitoral em Moçambique, citado pela DW.

Quatro candidatos presidenciais, incluindo Filipe Nyusi, e 26 partidos moçambicanos iniciaram a campanha para as eleições gerais de 15 de Outubro, sufrágio que, pela primeira vez, não conta com o histórico opositor Afonso Dhlakama e inclui a eleição inédita de governadores.

Para o chefe de Estado moçambicano, é fundamental que os partidos políticos respeitem as diferenças, tornando a campanha um momento para que os cidadãos participem do debate de ideias de forma “responsável e salutar”.

“Desejamos a todo o povo moçambicano uma campanha eleitoral repleta de cor e alegria que celebre as diferenças de opiniões, como condimentos que florescem a nossa jovem democracia”, acrescenta o Presidente moçambicano, citado no comunicado.

Candidatos e orçamento

Além de Filipe Nyusi, para as presidenciais concorrem o líder da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), principal partido da oposição, Ossufo Momade, o líder do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), Daviz Simango, e o candidato do partido extraparlamentar Acção do Movimento Unido para a Salvação Integral (AMUSI), Mário Albino.

Para as legislativas e provinciais concorrem 26 formações políticas, mas a Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), partido no poder, a RENAMO e o MDM são os que têm maior pujança para aguentar a dura jornada de 45 dias de campanha eleitoral pelos 11 círculos do extenso território nacional e na diáspora.

As eleições gerais de 15 de Outubro vão, pela primeira vez, escolher os governadores das 10 províncias do país, que sairão dos cabeças-de-lista dos partidos concorrentes.

A eleição dos governadores provinciais é uma novidade que decorre da aprovação de um novo pacote de descentralização, no âmbito das negociações para o Acordo de Paz e Reconciliação Nacional de Maputo, assinado entre o Governo e a RENAMO no dia 6 deste mês.

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) estima o custo do pleito em 203,3 mil milhões de euros e o Governo já assegurou 56% do orçamento, enfrentando um défice de 44%.

Na quinta-feira (29.08), o porta-voz da CNE, Paulo Cuinica, disse à agência Lusa que o órgão aprovou 2,6 milhões de euros para os 26 partidos concorrentes.

A verba será canalizada por etapas e sob condição de apresentação de justificativos de despesas inerentes à campanha eleitoral.

Em Campanha

O Presidente moçambicano e recandidato presidencial prometeu promover emprego para juventude, num comício no centro de Moçambique que marca o primeiro dia de campanha.

“Para a minha juventude, a palavra que está na minha cabeça agora para os próximos cinco anos é emprego”, disse Filipe Nyusi, falando para uma multidão no campo do Ferroviário da Beira, em Sofala, centro de Moçambique.

O candidato da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), partido no poder desde a independência do país, lembrou que a palavra-chave do seu último mandado foi paz e disse que o país conseguiu alcançar esse objectivo, em alusão a assinatura neste mês do Acordo de Paz e Reconciliação Nacional com a Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO).

A palavra paz “continuará a ocupar um espaço na minha cabeça porque é algo que tem de ser consolidado sempre. Mas agora, o emprego é o novo desafio”, frisou Nyusi.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »