Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Angola regista mais de 70 casos de tráfico de seres humanos

Pelo menos 70 casos de tráfico de seres humanos, envolvendo sobretudo mulheres e crianças, foram registados em Angola (DR)

Pelo menos 70 casos de tráfico de seres humanos, envolvendo sobretudo mulheres e crianças, foram registados em Angola, hipoteticamente nos últimos cinco anos, informou, nesta sexta-feira, em Luanda, a secretária de estado do sector, Ana Celeste Januário.

Falando à imprensa, à margem de uma palestra sobre “Trafico de Seres Humanos em Angola”, no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro, a governante disse que as províncias de Luanda, Cunene, Zaire e, de modo geral, as províncias de fronteira, são as mais visadas com o fenómeno.

De acordo com Ana Januário, citada pela Angop, o número de pessoas traficadas tem estado a aumentar desde que Angola aderiu a campanha internacional “Coração Azul”, aliada ao esforço do Executivo em promover, em vários lugares, debates sobre essa questão do tráfico, despertado as pessoas e incentivado a prática de denúncias.

Acrescentou que o crescimento de casos se deve também ao facto de os diversos operadores no combate a este fenómeno estarem a fortalecer-se e a aprimorarem os seus métodos e técnicas de investigações desse mal, no sentido de neutralizarem os “modus operandi” dos criminosos.

Neste seguimento, a secretária de Estado dos Direitos Humanos e Cidadania disse que em Angola já foram julgados e condenados cidadãos implicados em mais de 15 casos de tráfico de seres humanos, envolvendo angolanos e estrangeiros.

A governante, que procedeu a abertura oficial da palestra, disse na ocasião que existem três tipos de tráfico de seres humanos, destacando-se o “interno” (dentro do país), em que pessoas são movimentadas de uma província para outra com fins obscuros.

A este, prosseguiu a secretária de Estado da Justiça e dos Direitos Humanos, juntam-se o “tráfico externos”, através do qual pessoas são trazidas para Angola, e o “internacional”, que passa por uma cadeia bem mais organizada, onde intervêm vários países de recrutamento e de destino.

“Esta palestra surge como instrumento fundamental para os técnicos colocados nas fronteiras e serviços afins tomarem consciência do fenómeno, por serem eles que têm contacto directo com as vitimas ou potenciais vitimas”, considerou a governnte.

Ana Januário entende ser “muito importante que as pessoas que fazem serviço de fronteira, tenham noção da problemática e como os traficantes actuam, particularmente aquando da apresentação da documentação de autorização de quem transporta criança.

Para a governante, o tráfico de seres humanos tem várias motivações, quer seja para exploração laboral ou trabalho esforçado, venda de criança, para mendicidade, exploração sexual e para extracção de órgãos, o que Angola nunca registou.

Por outro lado, a secretaria de Estado disse estar a crescer os casos de raptos em Angola, mas sem garantias de se destinar ao tráfico de pessoas, daí que os agentes da lei devem aferir a veracidade dos documentos e prestar atenção a comportamentos suspeitos ou estranhos nas fronteiras.

“As fronteiras de Angola registam um movimento grande de saídas e entrada de pessoas, que propicia de certa forma alguma facilidade para os traficantes aproveitarem-se”, rematou, na presença de magistrados do Ministério Público e distintos funcionários aeroportuários.

A palestra destinou-se essencialmente a técnicos do Serviço de Migração Estrangeiro, da Sociedade Nacional de Gestão de Aeroportos (SNGA), da Empresa Nacional de Navegação Aérea (ENNA) e da TAAG – Linhas Aéreas de Angola.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »