- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Portugal Santana recusa entrar em leilão "pornográfico" de baixa de impostos

Santana recusa entrar em leilão “pornográfico” de baixa de impostos

DN|Lusa

O presidente da Aliança, Pedro Santana Lopes, critica o leilão “quase pornográfico” de propostas de descida de impostos, concentrando-se em defender uma baixa de impostos para as empresas, mas também a redução do IMT para os jovens.

“Eu não quero entrar no leilão que tem havido, que eu considero quase pornográfico, de propostas de baixa de impostos, porque acho que isso é mau. Os partidos da oposição aparecem a dizer – e o Governo também já veio falar em baixa de impostos – eu baixo x e o outro baixa y e o outro y + 3”, argumentou Santana Lopes.

Em entrevista à Lusa, o antigo primeiro-ministro e presidente do PSD, que em 2018 fundou a Aliança, sustentou que é preciso baixar o IRC (Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Coletivas) para chamar investimento, apontando que grandes empresas portuguesas “têm a sua sede na Holanda, que tem uma política fiscal muito agressiva para chamar os grandes grupos”.

“O que eu estou a dizer do IRC é mesmo por considerar que é muito importante para Portugal. Eu gostava de baixar muito mais sobre as famílias e sobre as pessoas e os rendimentos do trabalho, só que o dinheiro não chega para tudo enquanto a economia não crescer”, justificou.

A proposta fechada só será conhecida no programa eleitoral, que é divulgado em 06 de setembro.

No plano fiscal, a Aliança defende também “a redução do IMT [Imposto Municipal sobre Transmissões Onerosas de Imóveis] para jovens até 30 ou casais com média até 35 anos, e o aumento à dedução à coleta dos lucros das empresas que sejam reinvestidos no capital ou em ativos das empresas”.

Santana criticou também a governação do PS com o apoio da maioria parlamentar de esquerda por entender que, “por opções ideológicas talvez”, se “apostou mais em setores que não são os mais importantes para o crescimento do país, para o crescimento da economia”.

“Ligou-se muito pouco às empresas. Eu elogiaria os resultados orçamentais do Governo se não tivessem implicado os sacrifícios que implicaram, nomeadamente na área da saúde e não só”, afirmou.

“Mais do que dizer se fizeram bem ou mal, eu o que digo, principalmente, é que seguiram um caminho político que em minha opinião é errado. E não viram aquele que para mim é o principal problema do país. A grande questão da vida dos portugueses é saber se nós vamos conseguir chegar ao nível de vida no médio dos europeus ou não. Esse é o ponto principal, na minha opinião”, considerou.

Santana Lopes voltou a sublinhar a sua proposta de um “grande pacto nacional” para o crescimento a apresentar em Bruxelas.

“Gostava tanto que fosse possível fazer um grande pacto nacional sobre esse assunto em que nós todos portugueses, dos vários partidos, nos sentássemos à mesa e disséssemos assim ‘nós temos de ir a Bruxelas resolver isto’, porque senão eles continuam de facto, muitas vezes, a engordar à nossa custa”, afirmou, pedindo um projeto europeu de coesão.

- Publicidade -
- Publicidade -

Angola: Onde estão os sindicatos no novo conselho de João Lourenço?

Convidado a integrar o novo Conselho Económico e Social de João Lourenço, o economista Carlos Rosado de Carvalho diz-se "surpreendido" com o número de...
- Publicidade -

Bancos africanos são vítimas do ‘rating’ dos países em que operam, diz Moddy’s

Em causa os efeitos e dificuldades resultantes da pandemia de covid-19. A agência de notação financeira Moody's alertou que a análise sobre a qualidade de...

Angola: “Liberdade, Justiça, Emprego, Educação”, pedem manifestantes

Centenas de angolanos saíram à rua para mostrar a sua insatisfação com o Governo e exigir mais empregos. Foi a segunda manifestação em Luanda...

Cardeal italiano demitido de Vaticano por suspeitas de desvio de fundos

O italiano Angelo Becciu, tido a data como um dos cardeais mais influentes do Vaticno, foi obrigado a renunciar ao seu cargo, devido à...

Notícias relacionadas

Angola: Onde estão os sindicatos no novo conselho de João Lourenço?

Convidado a integrar o novo Conselho Económico e Social de João Lourenço, o economista Carlos Rosado de Carvalho diz-se "surpreendido" com o número de...

Bancos africanos são vítimas do ‘rating’ dos países em que operam, diz Moddy’s

Em causa os efeitos e dificuldades resultantes da pandemia de covid-19. A agência de notação financeira Moody's alertou que a análise sobre a qualidade de...

Angola: “Liberdade, Justiça, Emprego, Educação”, pedem manifestantes

Centenas de angolanos saíram à rua para mostrar a sua insatisfação com o Governo e exigir mais empregos. Foi a segunda manifestação em Luanda...

Cardeal italiano demitido de Vaticano por suspeitas de desvio de fundos

O italiano Angelo Becciu, tido a data como um dos cardeais mais influentes do Vaticno, foi obrigado a renunciar ao seu cargo, devido à...

Mali: Presidente e vice-presidente de transição já tomaram posse

Esta sexta-feira, no Mali, vão tomar posse o novo presidente de transição, o general na reserva Bah N’Daw, e o novo-vice-presidente, o coronel Assimi...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.