- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo África África queima mais do que a Amazônia

África queima mais do que a Amazônia

Cerca de 10.000 incêndios estão ativos apenas em Angola e no Congo, em comparação com 2.127 no Brasil. Agricultores usam incêndios como técnica agrícola, mas 10% estão fora de controle, escreve o El País.

Em meio à turbulência global causada por incêndios na Bacia Amazônica , uma imagem de satélite transmitida há alguns dias pela NASA e analisada pela Weather Source revelou que havia mais incêndios na África Central do que no Brasil.

Somente em Angola e no sul da República Democrática do Congo (RDC), houve mais de 10.000 incêndios ativos, em comparação com 2.127 no país sul-americano. Durante a cúpula do G7 em Biarritz, o presidente francês Emmanuel Macron anunciou a possibilidade de desbloquear fundos para combater incêndios também no continente africano. No entanto, de acordo com especialistas, eles não são fenômenos comparáveis.

A maioria dos incêndios em África, e ocorre todos os anos, responde a técnicas agrícolas ancestrais usadas pelo homem em atividades agrícolas e pastorais, são controladas e não afetam grandes massas arborizadas, mas pastagens e terras agrícolas.

“O uso do fogo para caçar, favorecer as melhores plantas para alimentos ou fibras, limpeza para agricultura e pastagem, facilitar viagens e controlar pragas está bem documentado, é tradicional e continua hoje em muitas partes do país. África ”, diz Peter Moore, especialista em gerenciamento de incêndios no Departamento de Florestas da FAO ( Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação ).

É o sistema preferido pela maioria dos agricultores, especialmente em áreas onde eles têm baixa renda e a agricultura não é mecanizada, uma vez que é mais econômica, pode acabar com certas pragas e doenças e as cinzas do mato queimado fornecem nutrientes para futuras culturas, embora a médio prazo e sem o gerenciamento adequado de seu escopo e intensidade acelere a erosão do solo.

A imagem de satélite mostra que, além de Angola e RDC, Zâmbia, Moçambique ou Madagascar também sofrem o mesmo fenômeno. No entanto, estima-se que nove em cada dez incêndios na África não causem grandes danos, mas beneficiem a comunidade. Tosi Mpanu Mpanu, negociador congolês nas conferências climáticas das Nações Unidas, enfatiza que “na Amazônia, a floresta queima principalmente por causa da seca e das mudanças climáticas . Mas na África Central isso se deve essencialmente a técnicas agrícolas ”, relata a AFP.

Dado o alarme incipiente, o Governo de Angola quis avançar para alertar sobre as comparações entre o que está acontecendo neste país africano e o Brasil, o que pode levar, diz ele em comunicado, “a uma dramatização da situação e a desinformação das as mentes mais imprudentes”.

De acordo com o Anglo-Ministry of Environment, esses são os incêndios que os agricultores geram a cada ano no final da estação seca. “Nesta época do ano e em muitas regiões do país, existem incêndios de camponeses na fase de preparação da terra devido à proximidade da estação das chuvas”, afirmou o comunicado.

Claro, também existem riscos. Moore explica que, de acordo com os estudos mais recentes, a cada ano queima entre 3% e 4% da superfície da Terra. E embora a tendência seja baixa na África (300 milhões de hectares queimados em 2016 em comparação com 340 milhões em 2003), é um dos continentes mais afetados.

Estima-se que 10% dos incêndios escapem ao controle e sejam responsáveis ​​por 90% da área queimada. “É isso que causa perda de vidas, danos materiais e impacto ambiental. Eles são irreprimíveis até que o tempo mude ou as condições do combustível que os faz queimar. Em muitos países da África, a capacidade de gerenciamento de incêndio não está bem desenvolvida ”, acrescenta Moore. Na origem, geralmente há acidentes, falta de compreensão de riscos, más práticas ou descuido.

Os grupos que defendem o meio ambiente alertam que essa técnica de desmatamento e queima provoca sérios desmatamentos e perda de biodiversidade, além de erosão da terra. O desmatamento é real, embora a principal causa não seja a queima, mas a extração de madeira. Segundo Mpanu Mpanu, ele disse à AFP, “a cobertura florestal da RDC aumentou de 67% para 54% de seu território entre 2003 e 2018”.

O próprio Presidente Tshisekedi se referiu à perda de árvores na bacia do rio Congo, a segunda massa florestal do planeta, em seu discurso de investidura. Em um país onde apenas 9% da população tem acesso à eletricidade, a madeira é uma importante fonte de energia e a exploração artesanal de madeira é permitida, o que às vezes oculta os interesses das empresas madeireiras.

Emissões para a atmosfera

Outro aspecto dos incêndios tem a ver com as emissões de gases nocivos para a atmosfera. “Quando o fogo é usado para transformar áreas florestais em áreas abertas, há uma adição líquida de gases de efeito estufa à atmosfera. Combustíveis que normalmente não são queimados, como turfeiras e florestas tropicais, contribuem intensamente para essas emissões”, explica Moore. No entanto, quando uma terra é queimada e a vegetação se regenera com o tempo, essas plantas a removem da atmosfera à medida que crescem.

A FAO propõe melhorar as habilidades das comunidades no gerenciamento de incêndios com base em suas próprias tradições e conhecimentos, levando em consideração o impacto positivo que a maioria dos incêndios controlados tem. Ao mesmo tempo, recomenda melhorar suas capacidades de extinção e compreensão de riscos. “Incêndios florestais nocivos”, como os atualmente na Amazônia, “não são uma emergência sem precedentes.

A combinação de políticas, planejamento e gerenciamento desatualizados criou um contexto em que os incêndios geram danos e perdas ”, conclui Moore.

- Publicidade -
- Publicidade -

Manuel Vicente refuta “acusações falsas” e promete analisar uma reacção judicial

O antigo vice-Presidente de Angola considera de falsas as acusações do antigo presidente do Banco Fomento Angola e braço direito de Isabel dos Santos,...
- Publicidade -

Partiu a cantora Juliette Gréco

Faleceu aos 93 anos de idade Juliette Gréco, grande nome da música francesa, a par de outras grandes vozes como Edith Piaf ou Barbara....

Alassane Ouattara considera “provocações” candidaturas de Gbagbo e de Soro

O Presidente da Costa do Marfim, Alassane Ouattara, que concorre a um terceiro mandato, considerou que as candidaturas do seu antecessor, Laurent Gbagbo, e...

Covid-19: Cuando Cubango regista morte do primeiro e único caso positivo

A província do Cuando Cubango registou, ontem, o primeiro caso positivo, importado do Huambo, que resultou em morte. Das 18 regiões do país, Namibe...

Notícias relacionadas

Manuel Vicente refuta “acusações falsas” e promete analisar uma reacção judicial

O antigo vice-Presidente de Angola considera de falsas as acusações do antigo presidente do Banco Fomento Angola e braço direito de Isabel dos Santos,...

Partiu a cantora Juliette Gréco

Faleceu aos 93 anos de idade Juliette Gréco, grande nome da música francesa, a par de outras grandes vozes como Edith Piaf ou Barbara....

Alassane Ouattara considera “provocações” candidaturas de Gbagbo e de Soro

O Presidente da Costa do Marfim, Alassane Ouattara, que concorre a um terceiro mandato, considerou que as candidaturas do seu antecessor, Laurent Gbagbo, e...

Covid-19: Cuando Cubango regista morte do primeiro e único caso positivo

A província do Cuando Cubango registou, ontem, o primeiro caso positivo, importado do Huambo, que resultou em morte. Das 18 regiões do país, Namibe...

Em apoio à Charlie Hebdo media franceses apelam a liberdade de expressão

Cerca de uma centena de médias franceses, incluindo jornais, revistas, canais de televisão e estações de rádio publicaram na quarta-feira uma carta aberta para...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.