- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Destaques Presidente da República reitera melhoria do ambiente de negócios

Presidente da República reitera melhoria do ambiente de negócios

Angop

O Presidente da República, João Lourenço, reiterou, nesta quarta-feira, em Yokohama, Japão, que o Executivo está a implementar um amplo programa de melhoria do ambiente de negócios em Angola, para atrair o investimento privado nacional e estrangeiro.

Segundo o Chefe de Estado angolano, trata-se de um programa de melhoria de negócio apoiado pelo Banco Mundial (BM), que tem permitido simplificar os procedimentos e reduzir o tempo dos diversos serviços públicos prestados ao sector privado.

Ao intervir no painel “Aceleração da transformação Económica e melhorar o ambiente de negócios, através da inovação e envolvimento do sector privado”, no âmbito da TICAD7, João Lourenço disse que, com o apoio do BM, o Executivo está a implementar um amplo programa de privatizações de empresas e activos públicos.

Trata-se de um processo que prevê a privatização, até 2022, de várias empresas – algumas delas estratégicas – e activos públicos.

O estadista angolano disse que o objectivo desse processo de privatizações é o de promover o crescimento económico de Angola, fomentar o investimento privado e aumentar a oferta de empregos.

Outra pretensão do Executivo, explicou, é contribuir para o aumento da eficiência das empresas angolanas, levando a uma redução gradual dos custos de produção e a prática de preços mais competitivos.

Sublinhou que, com essa iniciativa do Governo, pretende-se também atrair investidores internacionais que possam aportar à economia angolana capital financeiro, tecnologia avançada e “know how”, permitindo diversificar e aumentar a produção interna de bens e serviços e incrementar as exportações.

Noutro domínio, João Lourenço falou do combate à corrupção em Angola, fenómeno que disse ser “um enorme fardo imposto aos empresários e à sociedade no geral”, por “distorcer por completo o princípio básico da transparência, da sã concorrência, da justiça, desvalorizando o mérito e a competência”.

Informou que o Executivo angolano e os competentes órgãos de justiça estão a tomar medidas para eliminar a corrupção e a impunidade, e, assim, edificar em Angola um verdadeiro estado de direito e uma real economia de mercado.

O Presidente da República ressaltou que outras medidas estão igualmente em curso, tendentes a combater a concorrência desleal, o branqueamento de capitais, a recuperação de activos que foram constituídos com recursos públicos e ilegalmente transferidos para terceiros em Angola e no estrangeiro.

Na sua visão, só uma verdadeira complementariedade estratégica entre o Estado e o sector privado deverá garantir que se alcance com sucesso as metas de desenvolvimento sustentável.

Lembrou que o Governo de Angola está a implementar, com o apoio do Fundo Monetário Internacional (FMI), um programa para a estabilização macroeconómica, tendo em vista a criação de condições de estabilidade macroeconómica e um melhor ambiente de negócios.

Para João Lourenço, o referido programa tem permitido alcançar resultados positivos no que respeita à consolidação fiscal, redução das taxas de inflação, normalização gradual do mercado cambial, bem como estabilização das taxas de juros, dos títulos de tesouro e dos níveis das reservas internacionais líquidas do país.

Além do Presidente angolano, já intervieram no referido painel os seus homólogos do Ghana, Senegal, Libéria, Uganda, Rwanda e Djibuti, o primeiro-ministro da Etiópia e outros líderes africanos, que estão a apresentar as medidas e reformas em curso para melhoria do ambiente de negócio, crescimento da economia, geração de renda e empregos para juventude dos seus países.

Na sessão de abertura da Sétima Conferência Internacional de Tóquio para o Desenvolvimento de África (TICAD7), o primeiro-ministro do Japão, Shinzu Abe, observou que, nos últimos três anos, o sector privado japonês investiu 20 mil milhões de dólares no continente africano.

- Publicidade -
- Publicidade -

FMI: Angola não recupera da pandemia até 2024

O Fundo Monetário Internacional (FMI) considerou hoje num relatório que as maiores economias da África subsaariana, onde se inclui Angola, não deverão recuperar os...
- Publicidade -

PNUD e IGAE assinam memorando com vista ao combate à corrupção

As duas instituições pretendem trabalhar para a elaboração de instrumentos legais que visam a avaliação de riscos contra a corrupção e previsão de medidas...

Falta de limpeza nas valas de drenagem preocupa moradores

Os moradores do bairro Rocha Pinto pedem “intervenção urgente” da Administração do Distrito da Maianga para limpeza da vala de drenagem do canal 3,...

Bonga realiza espectáculos em Portugal e lança novo álbum nos 45 anos da independência de Angola

O projecto conta com mais de uma dezena de artistas, que atuam no dia da independência, 11 de novembro, no Teatro Capitólio, no Parque...

Notícias relacionadas

FMI: Angola não recupera da pandemia até 2024

O Fundo Monetário Internacional (FMI) considerou hoje num relatório que as maiores economias da África subsaariana, onde se inclui Angola, não deverão recuperar os...

PNUD e IGAE assinam memorando com vista ao combate à corrupção

As duas instituições pretendem trabalhar para a elaboração de instrumentos legais que visam a avaliação de riscos contra a corrupção e previsão de medidas...

Falta de limpeza nas valas de drenagem preocupa moradores

Os moradores do bairro Rocha Pinto pedem “intervenção urgente” da Administração do Distrito da Maianga para limpeza da vala de drenagem do canal 3,...

Bonga realiza espectáculos em Portugal e lança novo álbum nos 45 anos da independência de Angola

O projecto conta com mais de uma dezena de artistas, que atuam no dia da independência, 11 de novembro, no Teatro Capitólio, no Parque...

Governo angolano aprova nova lei dos petróleos que prevê “angolanização” do sector

O governo de Angola apresentou nova legislação para o setor dos petróleos que prevê menos recurso a estrangeiros e um incentivo a sociedades comerciais...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.