Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Cabo Verde espera desligar TV analógica ainda este ano

(NIC BOTHMA/EPA)

Observador|Lusa

Neste momento, o sinal analógico e o digital funcionam em simultâneo. “Apagão” será por fases e a previsão é começar ainda este ano, pela ilha de Santiago.

O presidente da Cabo Verde Broadcast (CVB), Luís Ramos, espera que o início do “apagão” analógico no país comece ainda este ano, no mesmo período em que a cobertura da televisão digital deverá ultrapassar os 90%.

“Neste momento temos 75 a 80% de cobertura populacional, ou seja, pessoas que vivem em zonas onde há cobertura da televisão digital, já é um dado importante e contamos até final do ano ultrapassar os 90% da cobertura”, disse o presidente do Conselho de Administração da empresa responsável pela implementação e gestão de toda a infraestrutura de Televisão Digital Terrestre (TDT) em Cabo Verde.

Neste momento, o sinal analógico e o digital funcionam em simultâneo, mas Luís Ramos avançou que já estão criadas as condições para avançar com o “apagão” analógico nas ilhas de Santiago, Maio, São Vicente e Sal, que compõem a primeira fase do projeto.

O dirigente disse que o desligamento será por fases e a previsão é começar ainda este ano, pela ilha de Santiago, que está mais avançada na implementação da tecnologia.

O que tem atrasado o desligamento é a falta de equipamentos suficientes no mercado, prosseguiu, dando como exemplo o descodificador para que as pessoas possam ter os equipamentos compatíveis em casa.

A cobertura atual, segundo o responsável, resulta da implementação efetiva da primeira fase da tecnologia em quatro ilhas – Santiago, São Vicente, Sal e Maio, com 23 centros emissores que fazem o sinal chegar também a ilhas vizinhas.

A mesma fonte adiantou que 20 centros emissores estão a ser concluídas em outras quatro ilhas – São Nicolau, Boavista, Fogo e Brava – correspondendo à segunda fase que deverá ficar pronta “nos próximos meses”.

Onde o projeto encontrou “vários constrangimentos” foi na ilha de Santo Antão, a mais a norte do país e também conhecida como “Ilha das Montanhas”, devido à compra de terreno para os emissores.

A aquisição de terreno em Cabo Verde é um processo complicado, mesmo sendo pequenos lotes, mas às vezes é difícil identificar os proprietários e quando são identificados nem sempre estão devidamente habilitados para poder ceder o terreno”, lamentou.

Por isso, disse que o processo atrasou-se nessa ilha, onde serão construídos 17 centros emissores, mas o processo, disse, em breve vai “iniciar com força” para ter a TDT em todos os municípios ainda este ano.

Outro constrangimento encontrado foram as zonas sombras em praticamente todas as ilhas, mas Luís Ramos afirmou que a empresa já resolveu grande parte dos problemas e “aos poucos” vai eliminando esses pontos “conforme prioridade e necessidades”.

E com isso, garantiu que mais gente está a ver televisão no arquipélago, já que muitos canais chegam a locais onde nunca outros tinham estado.

Segundo um estudo sobre o Acesso e Consumo da Comunicação Social apresentado recentemente pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE) de Cabo Verde, a televisão continua a ser o principal meio de comunicação social no país, com 82% de preferência.

Com certeza que a televisão digital tem contribuído para esse indicador”, salientou o presidente da Cabo Verde Broadcast à Lusa.

Neste momento, a TDT tem oito canais de televisão e seis rádios à disposição dos cabo-verdianos, mas Luís Ramos garantiu à Lusa que a ideia é disponibilizar mais estações televisivas, sobretudo regionais, à semelhança do que já acontece com as rádios comunitárias.

Além dos canais de televisão e rádio, o presidente da CVB referiu que a TDT poderá fazer “muita coisa”, como o transporte de canais por assinatura e ter canais regionais.

E também há possibilidade de vir a implementar uma plataforma online, onde podemos introduzir conteúdos, sobretudo de produção nacional, para não só servir a população residente como também a da diáspora”, completou.

Num processo que está “bastante avançado”, o líder empresarial realçou, porém, que poderá vir a enfrentar algum constrangimento no meio urbano na hora do desligamento, porque as pessoas têm alternativas e evitam adquirir os equipamentos.

Neste sentido, afirmou que as pessoas do meio rural são “mais propensas” a essa mudança da televisão analógica para o digital, onde veem “claramente” os benefícios da TDT, “com aumento significativo dos canais e com alguma qualidade”.

Cabo Verde é um dos cinco países da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) que estão mais avançados em termos de implementação da TDT, conforme determinou a União Internacional de Telecomunicações (UIT).

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »