- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Europa Organizações ambientalistas boicotam G7 de Biarritz

Organizações ambientalistas boicotam G7 de Biarritz

A RAC, (Rede Acção Clima) da qual fazem parte várias organizações não-governamentais francesas e estrangeiras decidiu boicotar a cimeira do G7, que decorre em Biarritz, no sudoeste da França, de 24 a 26 de Agosto. As ONGs justificaram a sua posição para protestar contra a linguagem dupla do executivo francês,no que toca à sua política ambiental. Tal é o sentimento expressado por Samluel Leré, porta-voz da Fundação Hulot, criada pelo antigo ministro da Transição Ecológica francês, Nicolas Hulot. Leré critica a diferença entre o discurso e os actos,em matéria de políticas ambientais, do executivo de Emmanuel Macron.

Com em pano de fundo a vaga de incêndios que tem destruído superfícies importantes da Amazónia brasileira, o G7, que se reúne de 24 a 26 de Agosto em Biarritz, no sudoeste atlântico da França, para além de abordar a questão relativa ao abrandamento da economia mundial, vai igualmente consagrar a sua atenção ao aquecimento climático e as consequências para o mundo em que vivemos.

Emmanuel Macron , tem defendido internacionalmente o acordo climático assinado em Paris no ano de 2015, assim como chamado a atenção para o perigo que a desflorestação da Amazónia representa para o equilíbrio dos ecossistemas mundiais.

Todavia, no plano interno, a sua gestão ecológica de Macron, segundo as as organizações de defesa do ambiente, está em contradição com as medidas, que visam a redução das emissões de gás com efeito de estufa.

Perante a contradição entre as palavras e os actos do executivo de Emmanuel Macron,as grandes associações ambientalistas decidiram boicotar a cimeira do G7 em Biarritz, para protestar também contra a sua marginalização.

Em declarações à RFI, Samuel Leré, porta-voz da Fundação Hulot, organização não-governamental criada pelo antigo ministro francês da Transição Ecológica, Nicolas Hulot, criticou a gestão política do Presidente Macron e do seu executivo, no que toca às questões ecológicas, bem como justificou o boicote das ONGs (Fundação Hulot, Greenpeace,Word Wide Fund e outras) ao encontro do G7, em Biarritz.

Na altura em que começa o G7, muitas questões já estão programadas. As reuniões de preparação não têm lugar só na véspera, elas decorrem durante vários meses.

E efectivamente o que nós constamos com o G7, é que não houve encontros com as associações. Não tiveram lugar discussões, nem uma construção paralela colectiva para a preparação do G7.

Com Emmanuel Macron e a maioria governamental, entre o que eles dizem, com o qual não podemos senão estar de acordo, e o que eles fazem, há uma grande diferença. O último exemplo disso é o discurso de política geral do Primeiro-ministro, que coloca a ecologia em primeiro plano, mas logo a seguir assistimos a ratificação do CETA, acordo comercial com o Canadá.

Vemos muito bem que, entre o que propagam os discursos do executivo e o que é feito com os votos, existe uma enorme diferença”

Samuel Leré (Fundação Hulot)

Os incêndios que têm devastado a Amazónia e demais questões ligadas ao aquecimento climático serão debatidos durante a cimeira do G7, que abordará igualmente assuntos como o acréscimo das desigualdades no mundo e a paz no Médio-Oriente, região afectada nos últimos meses pela escalada da tensão entre o Irão e os Estados Unidos.

- Publicidade -
- Publicidade -

Camané, Mário Laginha e Maria Mendes nomeados para os Grammy Latinos

Cerimónia decorrerá a 19 de novembro. Os músicos Camané e Mário Laginha e a cantora Maria Mendes estão nomeados para os prémios de música Grammy Latinos...
- Publicidade -

Emir do Kuwait, xeique Sabah morre aos 91 anos, anuncia país

Kuwait anuncia em cadeia nacional a morte de seu emir, o xeique Sabah al-Ahmad al-Sabah, que governou o país árabe desde 2006. O mais velho...

Movicel recua na decisão de subir os preços dos diferentes planos tarifários

O clamor dos clientes que se fez sentir depois de o Novo Jornal, a 17 deste mês, ter divulgado em primeira mão, que a...

Trump é “moralmente falido” e agora “também é financeiramente imoral”: O caso dos impostos vai derrotá-lo ou vai ser esquecido?

Investigação divulgada pelo “New York Times” mostra que Donald Trump pagou apenas 750 dólares em impostos federais no ano em que venceu as eleições...

Notícias relacionadas

Camané, Mário Laginha e Maria Mendes nomeados para os Grammy Latinos

Cerimónia decorrerá a 19 de novembro. Os músicos Camané e Mário Laginha e a cantora Maria Mendes estão nomeados para os prémios de música Grammy Latinos...

Emir do Kuwait, xeique Sabah morre aos 91 anos, anuncia país

Kuwait anuncia em cadeia nacional a morte de seu emir, o xeique Sabah al-Ahmad al-Sabah, que governou o país árabe desde 2006. O mais velho...

Movicel recua na decisão de subir os preços dos diferentes planos tarifários

O clamor dos clientes que se fez sentir depois de o Novo Jornal, a 17 deste mês, ter divulgado em primeira mão, que a...

Trump é “moralmente falido” e agora “também é financeiramente imoral”: O caso dos impostos vai derrotá-lo ou vai ser esquecido?

Investigação divulgada pelo “New York Times” mostra que Donald Trump pagou apenas 750 dólares em impostos federais no ano em que venceu as eleições...

Os três anos de João Lourenço na Presidência: A organização da administração do Estado (II)

O objectivo principal é a estruturação dos órgãos e serviços da administração do Estado. Esse objectivo estende-se à sua operacionalidade, eficácia e eficiência como...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.