Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Assinado acordo para repatriamento dos refugiados congoleses

REFUGIADOS CONGOLESES NO CAMPO DO LÓVUA (FOTO: HÉLDER DIAS)

Angop

Os governos de Angola e da RDCongo, e o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) assinaram, na sexta-feira, em Luanda, um acordo tripartido sobre o repatriamento voluntário de refugiados congoleses.

Dos 23.684 refugiados congoleses registados conjuntamente pelo Governo de Angola e o ACNUR, cerca de 16,177 manifestaram o desejo de regressar à RDC.

Dados disponibilizados indicam que desde a madrugada de segunda-feira, oito mil refugiados caminharam cerca de 20 quilómetros e montaram um acampamento na sede do município do Lóvua, na província da Lunda Norte, para descansar, com o intuito de continuar até à fronteira com a RDC.

Até sexta-feira, 1.466 refugiados já tinham regressado à RDC.

O grupo já repatriado inclui crianças, mulheres e homens, que durante o percurso de aproximadamente três horas, até a fronteira do Tchicolondo, contam com o asseguramento dos efectivos da Polícia Nacional, alimentação e água, disponibilizados pelo governo angolano.

O governo angolano disponilizou camiões para o transporte dos 18 mil e 800 refugiados, bens alimentares, seis ambulâncias, camiões cisternas para o abastecimento de água durante o percurso e mais de 80 efectivos para garantir a segurança dos refugiados.

Segundo um comunicado a que a ANGOP teve acesso, a reunião tripartida juntou, entre os dias 22 e 23, em Luanda, o secretário de Estado para as Relações Exteriores, Téte António, a secretária Permanente da Comissão Nacional de Refugiados do Ministério do Interior e da Segurança da República Democrática do Congo, Berthe Zinga Ilunga, e a Representante Regional do ACNUR, Ann Encontre.

As partes decidiram a harmonização do repatriamento espontâneo para uma melhor sincronização da operação, bem como a facilitação do repatriamento voluntário espontâneo pelo Governo de Angola, através da disponibilização de 10 camiões com a capacidade para 200 pessoas em cada um deles.

Angola deverá, em parceria com o ACNUR, emitir documentos de identificação, com vista a garantir o controlo dos refugiados.

Foram definidos três postos fronteiriços de saída e entrada na RDC, nomeadamente Kassai Central, Kassai Norte, Tchikolondo/Kalamba Mbuji, por oferecerem maior segurança e acesso terrestre mais facilitado.

De acordo com o documento final decidiu-se, igualmente, pelo reforço do apoio aos refugiados que decidiram sair de forma espontânea e aos que ainda permanecem no Centro de Acolhimento, com prioridade para as senhoras gestantes, crianças, pessoas com deficiência e idosos, que necessitam de assistência especial.

As três partes decidiram elaborar um plano de acção que contemple as actividades fundamentais, devidamente programadas e orçamentadas, para os próximos repatriamentos voluntários organizados de Angola para a RDC.

Com efeito, o Governo da RDC comprometeu-se a elaborar o respectivo plano de acção para a recepção e reintegração social dos refugiados, em parceria com o ACNUR.

O repatriamento voluntário organizado terá início a 16 de Setembro do corrente ano, devendo a parte congolesa aproveitar este período para criar as condições internas de recepção e reintegração social.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »