Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Fábricas têxteis voltam às “mãos” do Estado

Benguela: Fábrica de tecidos, ALASSOLA-EX-ÁFRICA TEXTIL (Foto: Carlos Benedito)

Angop

O Estado angolano conclui, sexta-feira (23), o processo de recuperação das três fábricas têxteis construídas com fundos públicos e arrestadas em Junho último, pela Procuradoria Geral da República (PGR), devido a irregularidades registadas no acto das privatizações.

O processo de recepção formal iniciou-se terça-feira, com a entrega da Fábrica Textang II (Luanda), a que se seguiu, quarta-feira última, a África Têxtil (Benguela).

Para esta sexta-feira, está agendada a entrega formal da ex-Satec, localizada na vila do Dondo (Cuanza Norte), pondo fim a um processo que visa revitalizar o sector têxtil para diversificar a economia nacional, e aumentar a oferta de empregos directos em Angola.

Trata-se de um processo conduzido pela Procuradoria-geral da República, que avançou com o arresto das unidades fabris, para corrigir irregularidades verificadas no processo de privatização e o incumprimento das cláusulas contratuais, pelos novos proprietários.

De acordo com o Instituto de Gestão de Activos e Participações do Estado (IGAPE) da PGR, foram detectadas irregularidades no processo de privatização das respectivas fábricas, que envolveram Joaquim David, antigo ministro da Geologia e Minas e da Indústria.

Segundo o IGAPE, em 2009, sob proposta do Ministério da Indústria, foi aprovado e publicado em Diário da República, I Série, de 13 de Março, um Programa Executivo do Sector da Indústria para o período 2009-2012, que inseriu os Projectos de Reabilitação da África Têxtil, ex-Satec e Textang II.

À luz deste Programa Executivo, o custo de reabilitação de cada uma destas unidades fabris ascenderia a USD 50 milhões, sendo o financiamento concedido pelo JBIC, instituição financeira japonesa.

Entretanto, contrariamente ao estabelecido no programa, “o valor final dos três projectos superou dez vezes os montantes inicialmente previstos”.

“Foi o Ministério da Geologia e Minas e da Indústria, cujo titular era Joaquin David, que organizou todo o processo de financiamento”, revelou o IGAPE, àquela altura.

Esclareceu que “o concurso público promovido pelo Ministério da Geologia e Minas e da Indústria, em 2010, não apurou qualquer entidade para gerir as fábricas têxteis”.

Desde a entrega das três fábricas às sociedades privadas, a África Têxtil produziu menos de 10 por cento da sua capacidade, a Textang II menos de cinco por cento e a ex-Satec 0 por cento, de acordo com dados avançados pelo IGAPE.

Em Março de 2017, o Governo, após análise da situação das fábricas têxteis, decidiu retirar a sua posse às empresas privadas que as detinham.

Posteriormente, como medida de esperança, o Governo formatou, em 2018, uma solução de privatização gradual, sujeitando-a, contudo, à reunião de um conjunto de requisitos prévios que as citadas sociedades não conseguiram cumprir.

Foi, pois, neste contexto, que os Ministérios das Finanças e da Indústria propuseram ao Titular do Poder Executivo a revogação dos Despachos Presidenciais números 108 a 110, de 2018, retirando a posse das três fábricas têxteis às sociedades privadas.

As mesmas (sociedades privadas) detinham esse direito legal desde Setembro de 2013, promovido na sequência de um concurso público, concluiu o IGAPE.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »