Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Regulamentação e corrupção são os maiores problemas no petróleo e gás em África

(© AP Photo / Vahid Salemi)

Mercado|Lusa

A incerteza na regulamentação, a corrupção e a transparência, juntamente com a competitividade global do continente africano são os três principais problemas na indústria do petróleo e gás em África, segundo a Africa Oil Week.

De acordo com um relatório sobre as Perspectivas de Evolução do Petróleo e Gás em África, lançado por esta consultora especializada em organizar grandes eventos nesta indústria, o continente representa um pouco mais de 7% da exploração de petróleo e gás mundial e, “apesar do optimismo, enfrenta grandes desafios”.

Para além da tensão comercial entre os Estados Unidos e a China, as duas maiores economias mundiais, “que está a ter um impacto negativo na economia mundial”, a Africa Oil and Week aponta que a produção interna chinesa está a abrandar e, com isso, “a necessidade de importar petróleo e gás de África”, um dos tradicionais fornecedores destas matérias-primas ao gigante asiático.

“A incerteza regulatória é um grande desafio para África”, escrevem os analistas, apontando que “as implicações das mudanças políticas e das tendências financeiras nos actores estatais africanos podem ter efeitos profundos na definição das políticas e da regulamentação”.

Para além disso, afirmam, “a corrupção e a transparência são um segundo desafio desafiante”; a corrupção “complica e prolonga o investimento e o desenvolvimento do projecto, ao mesmo tempo que aumenta o risco de operar em África para as companhias petrolíferas internacionais”.

A par das dificuldades tradicionais de investir em África, as regras mais apertadas de combate à corrupção tornaram a transparência e uma ‘due dilligence’ [informação detalhada sobre o financiamento dos negócios e parceiros comerciais] detalhada essenciais para o sucesso no continente”.

Dizer que os dois maiores produtores de petróleo na África subsaariana – Nigéria e Angola – devem lançar rondas de licitação este ano, e a Guiné Equatorial, Guiné, Uganda, Gabão e República do Congo têm rondas em curso.

Recorde-se que a próxima conferência organizada pela Africa Oil Week realiza-se na Cidade do Cabo, de 4 a 8 de Novembro, e terá dois dias dedicados a 16 países específicos, entre os quais estão Moçambique e a Guiné Equatorial.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »