Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Benguela regista aumento de casos de violência doméstica

Violência Doméstica (FOTO: PEDRO PARENTE)

O gabinete provincial da Acção Social, Família e Igualdade do Género em Benguela registou um aumento de 720 casos de violência doméstica no primeiro semestre deste ano, comparativamente ao mesmo período de 2018, informou esta quarta-feira, a chefe de departamento do sector, Cidalina Octávio.

Segundo a responsável, que falava à Angop, a margem do conselho consultivo provincial alargado do sector, no primeiro semestre deste ano a província registou 1.886 casos de violência doméstica, contra os 1.166 do ano anterior, situação que considera preocupante.

Dos casos registados esse ano, disse, destaca-se o abandono familiar e os mais frequentes são o incumprimento de mesada, fuga a paternidade, violência sexual, patrimonial e física.

Segundo Cidalina Octávio, o aumento de casos reflecte-se na mudança de mentalidade e comportamento das pessoas em denunciar os actos de violência, sendo agora mais frequentes e os casos mais graves encaminhados ao Serviço de Investigação Criminal.

A responsável referiu que a instituição trabalha com as famílias, promovendo encontros de sensibilização, palestras e campanhas para a mudança de comportamento, e aconselha a denúncia dos casos de violência doméstica, uma vez que já existe uma lei para o efeito.

“No passado era mais difícil, porque as pessoas não denunciavam, tinham medo, receio de perder o seu cônjuge e ser intimidada pela família do parceiro, surgindo assim o silêncio, mas hoje, as pessoas são mais abertas e denunciam tão logo sejam violentadas”, disse.

Contudo, disse que ainda assim existem pessoas que preferem sofrer ao invés de denunciarem os maus tratos que sofrem.

Para estes casos, a chefe de departamento apela as vítimas a não se calarem, porque a violência ultimamente não escolhe idade, nem status sociais e pode causar a morte.

Entretanto, no final do encontro, os participantes consideraram que a violência doméstica assume cada vez mais contornos alarmantes, resultantes da desestruturação das famílias e de outras disfunções socais que requerem abordagem abrangente, transversal e participativa.

Defendem o reforço das competências das famílias e o incremento das acções de divulgação e disseminação da Lei sobre violência doméstica.

O programa de combate a pobreza e sua prestação de contas, transferência de competências para os governos provinciais e destes para os municípios, projectos de inclusão produtiva e geração de trabalho e renda foram entre outros temas abordados no conselho consultivo.

O evento contou com a participação da vice governadora provincial para esfera política e social, Deolinda Valiangula, de directores e delegados provinciais, autoridades tradicionais, associações parceiras, igrejas e de partidos políticos.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »