Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Presidente timorense pede mais apoio para ex-combatentes traumatizados e excluídos

(ANTONIO DASIPARU/EPA)

RTP|Lusa

O Presidente da República timorense defendeu hoje mais esforços para apoiar ex-combatentes deficientes, traumatizados física e mentalmente, idosos e carenciados, excluídos socialmente que “vivem em crise permanente”.
“É inegável o que tem sido feito, mas muito resta por fazer em apoio de combatentes deficientes, traumatizados física e mentalmente, idosos, carenciados, excluídos socialmente. Eles vivem em crise permanente”, afirmou Francisco Guterres Lu-Olo.

“Não há tempo a perder. O apoio de que necessitam para garantir uma velhice condigna aos que se bateram pela pátria se vier amanhã será tarde”, disse em Díli.

Francisco Guterres Lu-Olo falava nas cerimónias oficiais que assinalam hoje o 44.º aniversário das Falintil, o braço armado da resistência timorense à ocupação indonésia e que foi o alicerce das atuais Forças de Defesa de Timor-Leste (F-FDTL).

Repetindo recados em intervenções anteriores, Lu-Olo admitiu a complexidade de lidar com as questões dos veteranos e ex-combatentes da luta contra a ocupação indonésia, afirmando que é de “elementar justiça” tanto “honrar a memória dos mártires” como “cuidar da dignidade dos vivos e da resolução dos problemas” com que vivem.

“Estou consciente das dificuldades. Tenho presentes as adversidades”, afirmou.

Para o chefe de Estado a cerimónia de hoje deve também ir além da homenagem, recordando o espírito das Falintil para procurar “inspiração, a força e a determinação para prosseguir na longa epopeia rumo ao desenvolvimento social e bem-estar, à libertação da pobreza do povo”, à consolidação da autoestima e à unidade de ação.

“A jornada é ainda longa rumo à nossa libertação da pobreza, desenvolvimento económico e social. Muitas são ainda as necessidades básicas a satisfazer, mas estamos empenhados em renovar o nosso compromisso de honra para continuarmos a valorizar esse legado, lutando e vencendo esses desafios da atualidade, sempre unidos e a construir a nossa prosperidade em paz”, afirmou.

“Hoje, evoca-se esse passado difícil, mas glorioso, mas também o futuro que queremos em segurança, com desenvolvimento económico e social, em paz, liberdade e com sentido patriótico”, sustentou.

Um dia que “faz parte da memória coletiva” dos timorenses e que assinala o momento, há 44 anos, quando “os militares timorenses responderam, no quartel-general português, em Taibesse, ao apelo para a insurreição geral armada” lançado cinco dias antes pela Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin).

O braço armado da Fretilin — partido que declarou unilateralmente a independência de Timor-Leste a 28 de novembro — transformou-se depois numa força apartidária, como braço da resistência à ocupação indonésia entre dezembro de 1975 e 1999.

“É por devoção e para evocação de uma data que representa para todos nós timorenses o momento para expressar o respeito e a profunda homenagem ao sacrifício de um povo e dos seus combatentes da libertação nacional que, com determinação, firmeza e bravura, durante 24 anos de luta, nos levaram à conquista da nossa liberdade e independência”, disse.

Lu-Olo – que foi ele próprio membro das FALINTIL — recordou a geração que lutou pela independência, pela “reconstrução nacional e na defesa e valorização da história comum de luta e de afirmação” dos timorenses.

“Nenhuma pátria que se respeite pode esquecer a dedicação e o sacrifício de toda uma geração que, por ela, tudo deu”, disse.

“Hoje reavivamos a memória, homenageamos uma geração, um povo e os seus combatentes. Hoje evocamos o esforço, a determinação e o sofrimento do nosso amado povo que quis que o seu sonho de libertação e independência se tornasse realidade”, afirmou.

As cerimónias contam com a presença das principais individualidades do país, incluindo o presidente do Parlamento Nacional, Arão Noé Amaral, do primeiro-ministro, Taur Matan Ruak, e do presidente do Tribunal de Recurso, Deolindo dos Santos.

Entre os presentes estão também o chefe do Estado-Maior General das FALINTIL – Forças de Defesa de Timor-Leste (F-FDTL), Lere Anan Timur, e do seu homólogo português, António Silva Ribeiro, que conclui quarta-feira uma visita a Timor-Leste.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »