Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

JMPLA demarca-se da manifestação contra o presidente do Tribunal Supremo

JMPLA, organização juvenil do MPLA (DR)

Novo Jornal Online

O Secretariado Nacional da JMPLA desmentiu a existência, de uma manifestação dos seus membros contra o presidente do Tribunal Supremo (TS), Rui Ferreira, para exigir a sua demissão.

Em comunicado, a JMPLA diz que “foi com bastante estranheza” que o seu secretariado nacional tomou conhecimento de uma convocatória para uma manifestação de rua contra o presidente do Tribunal Supremo, Rui Ferreira.

Segundo a mesma nota, o braço juvenil do partido que governa o País vem publicamente demarcar-se desta iniciativa e aproveita para esclarecer que a única plataforma que congrega as organizações juvenis angolanas, incluindo a JMPLA, é o Conselho Nacional da Juventude, que em momento algum convocou uma manifestação do género.

“O Secretariado Nacional da JMPLA apela aos seus militantes, quadros, amigos e simpatizantes a não aderirem a manifestações em que a organização não se revê”, acrescenta o documento.

Recorda-se que a UNITA já criticou o presidente do Tribunal Supremo, Rui Ferreira, afirmando que este não cumpre os requisitos legais para ocupar aquele cargo.

Segundo o principal partido na oposição, a presença de Rui Ferreira no topo do Tribunal Supremo é “uma grande violação” à Lei.

“O Tribunal Supremo só pode ser gerido por um juiz de carreira”, argumenta a UNITA.

No princípio deste mês, o Serviço de Investigação Criminal (SIC) ouviu o empresário Francisco Mateus Dias dos Santos “Kito dos Santos”, constituído arguido no processo que lhe foi movido pelo presidente do Tribunal Supremo, Rui Constantino Ferreira, depois dele ter acusado o juiz de usurpar os negócios do Grupo Arosfran, que lhe pertencia.

Kito dos Santos também lançou recentemente uma campanha a pedir a demissão de Rui Ferreira do cargo.

O empresário era cliente do escritório de advocacia de Rui Ferreira, mas as relações entre os dois azedaram-se em 2011 depois de o Governo ter expulso o sócio libanês do Grupo Arosfran, procurado pelas autoridades americanas por alegado financiamento a redes terroristas.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »