- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Moçambique Grupo dissidente da Renamo quer renegociar acordos com Governo moçambicano

Grupo dissidente da Renamo quer renegociar acordos com Governo moçambicano

DN|Lusa

Para o grupo, os dois acordos, que classifica de “secretos” e que não os vincula, são “fruto de um ato de traição”, por terem sido assinados à revelia do Conselho Nacional do partido, a bancada na Assembleia da República e do Estado-Maior General da Renamo, além de violarem o espírito do acordo assinado pelo líder histórico, Afonso Dhlakama, falecido em 2018.

“É um acordo de rendição incondicional”, precisou João Machava, porta-voz da JMR, em alusão ao acordo de Paz Definitiva, acusando o líder da Renamo, Ossufo Momade, de ter mantido o acordo “oculto” e recusado revelar o seu teor até ser remetido à Assembleia da República, para ser transformado em lei.

Defendeu, contudo, que um negociador “válido” do grupo, a ser eleito no conselho extraordinário da Junta Militar, que decorre desde sábado na Gorongosa, deverá interpelar a aprovação do acordo junto ao órgão legislativo, por o governo ter assinado com um interlocutor contestado, após avisos para romper com as negociações.

“Assim pronunciamos o Tenente General Ossufo Momade culpado de traição e destituído de todos os seus cargos e patentes”, anunciou no sábado João Machava, na abertura do conselho extraordinário.

O grupo, prosseguiu João Machava, conta agora com um apoio de 500 guerrilheiros que estão nas 11 unidades militares provinciais, e não tem financiamento interno ou externo.

Reiterou que o grupo não vai entregar as armas no quadro do acordo de paz assinado com o Governo sob liderança de Ossufo Momade, acrescentando que pretende assumir oficialmente todos os poderes de decisão e administração ligados à Desmilitarização, Desarmamento e Reintegração (DDR) da Renamo.

“Nós vamos continuar nas matas com armas, que têm munições e operacionais”, frisou João Machava, caso o grupo não lidere o processo de desarmamento, desmobilização e reintegração da ala militar, declinando alegações sobre negociações internas para consensos no partido.

Ainda segundo o responsável, o grupo que fez a entrega das armas no arranque do processo regressou às bases do partido.

O braço armado da Renamo acusa Ossufo Momade de estar ao serviço do Governo da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo, no poder) e de ter sido eleito por “maioria ilegítima” e “infiltrado” pelo SISE (serviços secretos) moçambicanos, no congresso de janeiro.

A Junta Militar da Renamo encontra-se reunida desde sábado no conselho nacional extraordinário, à revelia da estrutura oficial do partido, para eleger o presidente e o presidente interino do grupo. No sábado, o grupo elegeu o seu porta-voz.

A reunião que junta mais de 80 guerrilheiros decorre próximo a uma nova base do grupo, numa mata do interior de Piro, nas encostas da serra da Gorongosa, e termina na segunda-feira com o anúncio dos novos órgãos.

- Publicidade -
- Publicidade -

FinCEN Files: Investigação revela como bancos facilitaram transferências de biliões para criminosos

Fuga de informação de mais de dois mil relatórios enviados por bancos ao Governo dos EUA apontam para transferências bancárias de 1,7 biliões de...
- Publicidade -

SIC confirma retirada de canais em Angola

Os canais da SIC vão deixar de ser emitidos pela DStv em Angola a 15 de outubro de 2020, anunciou a plataforma, em mensagem...

Grandes bancos continuam a facilitar branqueamento de capitais, diz investigação do ICIJ

Uma análise a documentos confidenciais produzidos por vários bancos nos Estados Unidos e enviados à agência federal FinCEN mostram como grandes bancos facilitaram o...

Justiça manda encerrar todos os templos da IURD em Angola

IURD em Angola declarou-se, domingo. "surpresa" com a ordem de encerramento de quatro dos seus templos durante o culto. A justiça angolana ordenou o encerramento...

Notícias relacionadas

FinCEN Files: Investigação revela como bancos facilitaram transferências de biliões para criminosos

Fuga de informação de mais de dois mil relatórios enviados por bancos ao Governo dos EUA apontam para transferências bancárias de 1,7 biliões de...

SIC confirma retirada de canais em Angola

Os canais da SIC vão deixar de ser emitidos pela DStv em Angola a 15 de outubro de 2020, anunciou a plataforma, em mensagem...

Grandes bancos continuam a facilitar branqueamento de capitais, diz investigação do ICIJ

Uma análise a documentos confidenciais produzidos por vários bancos nos Estados Unidos e enviados à agência federal FinCEN mostram como grandes bancos facilitaram o...

Justiça manda encerrar todos os templos da IURD em Angola

IURD em Angola declarou-se, domingo. "surpresa" com a ordem de encerramento de quatro dos seus templos durante o culto. A justiça angolana ordenou o encerramento...

Isabel dos Santos e Sindika Dokolo envolvidos em investigação internacional aos grandes bancos

Numa nova investigação do Consórcio Internacional de Jornalistas, a filha do ex-presidente de Angola é alvo de dois relatórios sobre atividades suspeitas, ambos de...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.