Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Cachiungo e Adalberto candidatam-se à liderança da UNITA

(DR)

Os deputados José Pedro Cachiungo e Adalberto Costa Júnior são os primeiros pré-candidatos à liderança da UNITA, nas eleições previstas para novembro, durante o XIII congresso ordinário do maior partido na oposição em Angola, foi hoje anunciado.

“Temos um sistema de várias listas e nesse momento temos já duas pré-candidaturas, nomeadamente do engenheiro José Pedro Cachiungo e do engenheiro Adalberto Costa Júnior, mas essas pré-candidaturas serão depois submetidas ao crivo da comissão eleitoral entre 16 e 30 de setembro”, disse à Lusa o porta-voz do congresso, Rúben Sicato.

De acordo com o DN que cita a Lusa, ter apoio das bases do partido e reunir 1.000 assinaturas de militantes das 18 províncias angolanas estão entre os requisitos para a eleição de um novo líder da União Nacional para Independência Total de Angola (UNITA), liderada, desde 2003, por Isaías Samakuva que ainda não indicou se irá recandidatar-se ao cargo.

Segundo Rúben Sicato, a entrega de candidaturas ao cargo de presidente de UNITA, fundada por Jonas Savimbi, morto em combate em 2002, decorre na segunda quinzena de setembro, processo previsto nos regulamentos partidários e com avaliação do comité permanente do partido.

De 16 a 30 de setembro decorre o prazo para a apresentação dos requisitos à comissão eleitoral, de acordo com o regulamento eleitoral, e as “subcomissões submetem-se ao comité permanente”, explicou.

“Depois disso, a comissão eleitoral terá nove dias para se saber quem será o candidato às eleições”, realçou, acrescentando que a revisão dos estatutos do partido será um dos temas em discussão no conclave de novembro.

As autarquias, com as primeiras eleições previstas para 2020, e as eleições gerais de 2022 também constam da agenda do próximo congresso da UNITA.

A data do congresso foi anunciada em junho, por Isaías Samakuva, sem, contudo, abordar a sua continuidade, ou não, na liderança do partido.

O anterior congresso do partido, fundado em 1966, ocorreu em dezembro de 2015, no município de Viana, a leste de Luanda, na presença de 1.165 delegados, que reelegeram Samakuva como líder, com 949 votos, derrotando Paulo Lukamba Gato (167 votos) e Kalamata Numa (25).

Em 13 de março deste ano, numa declaração alusiva ao 53.º aniversário, a direção da UNITA considerou atuais os objetivos da fundação do partido, face à necessidade urgente de “mudanças políticas profundas para a dignificação dos angolanos”.

A direção da segunda força política angolana referiu que os cinco pilares fundamentais da sua criação, “o ‘Projeto de Muangai’ é atual e adaptável ao contexto de uma Angola pós-independente, carente de soluções adequadas aos problemas mais básicos que assolam a sociedade angolana”.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »