- Publicidade-
Smooth Jazz Rádio Calema
Inicio Mundo Lusófono Moçambique Moçambique: Justiça social e direitos humanos em debate

Moçambique: Justiça social e direitos humanos em debate

Liga de organizações não governamentais, JOINT, quer que o governo de Moçambique tome uma atitude séria para eliminar os ataques armados de insurgentes na província de Cabo Delgado.

Em Moçambique a JOINT, liga de organizações não governamentais, que promoveu nos últimos três dias (14 a 16 de Agosto) uma conferência nacional da sociedade civil, sob o lema “Por uma organização da sociedade civil solidária e engajada na justiça social”, quer que o governo tome uma atitude séria para eliminar os ataques armados de insurgentes na província de Cabo Delgado.

Segundo a DW, o director executivo da JOINT, Simão Tila, considera que o país regista um deficit de justiça social e são vários assuntos que concorrem para essa situação.

“Nós temos níveis muito baixos em Moçambique sobre aquilo que seria o poder de compra do cidadão moçambicano, satisfação das suas necessidades, temos o nível dos direitos humanos numa situação totalmente difícil, o país para além dos progressos que pode ter regride devido a vários factores, temos a guerra civil, temos o problema das dívidas ocultas, da transparência, temos problemas de corrupção…”.

Acabar com os ataques

Simão Tila disse ainda que a sociedade civil tem pressionado o Governo para que tome uma atitude séria com vista a eliminar os ataques dos insurgentes na província nortenha de Cabo Delgado.

“É preciso que o Governo tome este assunto com muita seriedade porque quem está a sofrer lá são pessoas que não têm nada a ver com aquilo que são os problemas do país. Dia após dia estão a morrer, estão a ser atacados em pontos localizados. Qual é a intervenção do Governo no sentido de estancar este problema?” questionou Tila.

As autoridades e o partido no poder, a FRELIMO, têm afirmado que as forças governamentais não têm mãos a medir no combate aos insurgentes, mas lamenta que estes não tenham rosto.

Governo procura soluções

O secretário-geral da FRELIMO, Roque Silva, disse esta quinta-feira (15.08.) em Manica que “o maior problema daquilo é que tu não tens com quem dialogar. Então, neste momento o que o Governo está a fazer é uma questão de gestão ir vendo como é que fazemos para travar por um lado para não progredir para irmos encontrando soluções mas é muito difícil gerir um assunto em que não sabes com quem estás a lidar, o que é que ele quer.

“A conferência da sociedade civil promovida pela JOINT produziu vários consensos nomeadamente de que este grupo representa um pilar importante da democracia e por isso tem que prevalecer.

No entanto, foi apontado que o espaço cívico da sociedade civil tem estado a reduzir, devido a alegadas medidas restritivas como a perseguição de activistas e contra as próprias organizações que se vêm forçadas a encerrar as portas.

As organizações da sociedade civil estão a registar, igualmente, uma certa fragilização que resulta do facto de ao longo dos anos terem deixado de ser vistas por algumas pessoas como um local de activismo e de promoção de valores de interesse nacional, mas como mais um emprego.

Direitos humanos e transparência

Os intervenientes sublinharam que a sociedade civil deve orientar o seu trabalho através de valores como a ética, transparência, respeito pelos direitos humanos e integridade das pessoas.

Um dos parceiros da sociedade civil moçambicana é a União Europeia. Isabel Faria de Almeida é a chefe da Cooperação.

“Nós pensamos que a sociedade civil é, de facto, a raiz da democracia. E portanto, nós precisamos de ter uma sociedade civil que seja plural e que encontre o espaço para a actuação no país. Há uma grande preocupação não só com a capacidade das organizações da sociedade civil, mas também com uma certa redução do espaço para estas organizações actuarem.”

A União Europeia tem, neste momento, aproximadamente 30 milhões de euros em diversos projectos de sociedade civil em Moçambique, o que representa 22% do portefólio do seu investimento ao desenvolvimento do país.

- Publicidade -
- Publicidade -

Quem é Luis Arce, o virtual presidente da Bolívia que levou o país ao ‘boom’ económico nos anos 2000

Como ministro da Fazenda entre 2006 e 2017, ele conduziu o país a um dos melhores desempenhos económicos da região. Luis Arce, virtual vencedor na...
- Publicidade -

Ministro Manuel Homem anuncia privatização da TV Zimbo para 2021

A TV Zimbo e as restantes empresas que transitaram para a esfera pública no âmbito da recuperação de activos pelo Estado deverão ser reprivatizadas...

BAI concede 31% da carteira de crédito ao sector imobiliário

O Banco Angolano de Investimentos (BAI) concedeu, ao longo dos seus 24 anos de existência, empréstimos anuais de 31% da sua carteira de crédito...

BNA confere licença de prestador de serviços de pagamentos à UNITEL

O Banco Nacional de Angola (BNA) atribuiu à operadora de telecomunicações móveis UNITEL uma licença de prestação de serviços de pagamento, permitindo à operadora...

Notícias relacionadas

Quem é Luis Arce, o virtual presidente da Bolívia que levou o país ao ‘boom’ económico nos anos 2000

Como ministro da Fazenda entre 2006 e 2017, ele conduziu o país a um dos melhores desempenhos económicos da região. Luis Arce, virtual vencedor na...

Ministro Manuel Homem anuncia privatização da TV Zimbo para 2021

A TV Zimbo e as restantes empresas que transitaram para a esfera pública no âmbito da recuperação de activos pelo Estado deverão ser reprivatizadas...

BAI concede 31% da carteira de crédito ao sector imobiliário

O Banco Angolano de Investimentos (BAI) concedeu, ao longo dos seus 24 anos de existência, empréstimos anuais de 31% da sua carteira de crédito...

BNA confere licença de prestador de serviços de pagamentos à UNITEL

O Banco Nacional de Angola (BNA) atribuiu à operadora de telecomunicações móveis UNITEL uma licença de prestação de serviços de pagamento, permitindo à operadora...

Huambo: Detidos grupo de marginais altamente perigosos

O Ministério Público (MP) decretou a prisão preventiva a 20 homens, "altamente perigosos", acusados de liderar várias organizações de marginais, responsáveis por assassinatos, incluindo...
- Publicidade -

Deixe um comentário

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.