Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Acordo de paz fragilizado em Moçambique

Assinatura em Maputo do Acordo de paz de Moçambique entre Filipe Nyusi, chefe de Estado, e Ossufo Momade, presidente da Renamo, a 6 de Agosto de 2019. (JOSÉ ANTÓNIO / LUSA)

Em Moçambique a Renamo, na oposição, acusa a Frelimo, partido no poder, e os grupos da polícia comunitária de praticarem actos de violência e intolerância política contra militantes da antiga guerrilha um pouco por todo o país. Para o movimento da perdiz trata-se de uma grosseira violação do acordo de paz e reconciliação nacional assinado no princípio deste mês em Maputo.

De acordo com a RFI, pouco mais de uma semana depois da assinatura do acordo de paz e reconciliação nacional, a Renamo denuncia violação dos princípios de pensamento diferente e coabitação pacífica defendidos no tratado de Maputo.

José Manteigas, porta-voz da Renamo da exemplo de casos graves de violência contra os seus militantes registados nas província de Tete, Zambézia, Gaza e Inhambane e por isso faz um apelo à “sua Excelência Presidente da República para tomar todas as providências no sentido de pôr fim a estas atitudes que arrepiam o convívio entre os moçambicanos.”

Para o principal partido da oposição estes actos de intolerância política criam dúvidas sobre a eficácia do acordo de paz e do compromisso de boa fé e receia que a situação poderá ser grave durante a campanha eleitoral e a 15 de Outubro dia de votação.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »