Portal de Angola
Informação ao minuto

Regime de Maduro tortura militares dissidentes. O pedido de ajuda do capitão Acosta

ONU já denunciou vários tipos de tortura do regime de Maduro. (PRENSA MIRAFLORES / HANDOUT/EPA)

Observador

Capitão Rafael Acosta terá sido eletrocutado e espancado e morreu no dia em que apareceu numa cadeira de rodas num tribunal militar. ONU já denunciou vários tipos de tortura do regime de Maduro.

“Ajude-me.” Foram estas as palavras do capitão da marinha aposentado Rafael Acosta para o advogado, no dia em que apareceu no tribunal militar de cadeira de rodas e com sinais de que tinha sido sujeito a tortura. Acosta tinha sido detido há uma semana pelas secretas venezuelanas e acabou por morrer no mesmo dia em que compareceu em tribunal. A história é contada pelo The New York Times, num texto que denuncia que Maduro está a torturar membros dissidentes das suas próprias forças armadas para manter o poder. De acordo com uma organização não governamental com sede em Caracas e citada pelo jornal norte-americano, a a Coligação pelos Direitos Humanos e pela Democracia, há 217 oficiais ativos e aposentados detidos em prisões venezuelanas, incluindo 12 generais.

Voltando ao caso de Rafael Acosta, a sua autópsia — que o regime de Maduro não conseguiu manter oculta — confirmou que sofreu vários traumatismos e foi eletrocutado. Acabou por ser enterrado três semanas depois de ter aparecido em tribunal (a 10 de julho) e os cinco membros da sua família que foram autorizados a assistir ao enterro não puderam ver o corpo, coberto com um plástico castanho. O próprio governo admitiu ter exagerado no uso da força neste caso. Na sequência do caso foram mesmo detidos dois militares de baixa patente, mas a oposição e a família de Acosta acreditam que as ordens foram de Maduro.

Os militares continuam ao lado do líder venezuelano Nicólas Maduro, mas nos últimos dois anos já houve, contou também o New York Times, cinco tentativas para derrubar ou assassinar o presidente por parte de forças de segurança (que incluem as forças armadas).

O ex-chefe das secretas da Venezuela, que desertou em abril, Manuel Figueira afirmou que “os abusos contra oficiais militares cresceu porque eles representam uma ameaça real para o governo de Maduro”. Em julho, alta comissária para os Direitos Humanos das Nações Unidas, Michelle Bachelet, divulgou um relatório que acusava o governo venezuelano de sujeitar presos políticos com “choques elétricos, sufoco com sacos de plástico, simulação de afogamento, espancamentos, violência sexual, privação de água e comida, e exposição a temperaturas extremas”.

Hugo Chávez, o pai político de Maduro, afirmou em 2006 que o governo venezuelano tinha de ser “humanista” e recusar a tortura. Mas durante estes últimos anos de governação de Maduro têm-se sucedido os abusos contra militares dissidentes.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »