Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Proteção a Cunha coloca Moro no centro do golpe de 2016

(Foto: NELSON ALMEIDA/AFP/Getty Images)

Brasil247 / por Rafa Santos

“Alguém ainda tem dúvida de que o Moro estava no centro da organização do golpe?”, questiona o deputado Henrique Fontana, diante da revelação de que o ex-juiz manobrou para que os celulares de Eduardo Cunha não fossem apreendidos. Nos aparelhos, certamente estaria todo o mapa da compra de votos de deputados para derrubar a ex-presidente Dilma Rousseff, alvo de um golpe em 2016

Caiu como uma bomba no meio político a revelação de que o ex-juiz Sergio Moro impediu a apreensão dos celulares de Eduardo Cunha – ex-deputado que tramou a compra de votos para derrubar a ex-presidente Dilma Rousseff no golpe de 2016. Para parlamentares da oposição, a revelação deixa claro que Moro foi peça decisiva no golpe de estado de 2016, que derrubou a presidente Dilma Rousseff e a substituiu por Michel Temer. Confira reportagem do Conjur e reações do meio político:

No dia anterior à prisão de Eduardo Cunha (MDB-RJ), o então juiz encarregado da “lava jato”, Sergio Moro, atuou para convencer os procuradores da força-tarefa a não pedir a apreensão dos telefones celulares do ex-presidente da Câmara dos Deputados.

A informação foi obtida por meio da análise de diálogos que integram o pacote de mensagens enviados ao site The Intercept Brazil por fonte anônima e foi publicada em parceria com o BuzzFeed News.

Os diálogos entre Moro e os investigadores ocorreram no dia 18 de outubro de 2016. Neles, o procurador Deltan Dallagnol pediu uma reunião com Sergio Moro para tratar de um pedido de apreensão dos telefones de emedebista.

No arquivo não consta nenhuma menção ao que foi discutido na reunião presencial entre o juiz e o procurador. No entanto, Deltan Dallagnol enviou às 14h16 uma mensagem em que diz que, após levar em consideração o que foi dito pelo juiz, a força-tarefa desistiu de pedir apreensão dos celulares.

“Cnversamos (sic) qui e entendemos que não é caso de pedir os celulares, pelos riscos, com base em suas ponderações”, escreveu o procurador. No dia seguinte às conversas entre os dois, 19/10, Eduardo Cunha foi preso em Brasília.

Já detido, Eduardo Cunha questionou agentes da PF sobre se deveria ou não entregar seu aparelho celular e recebeu uma resposta negativa, segundo seus advogados.

Tanto a força-tarefa da Lava Jato como o Ministério da Justiça declararam que os celulares de Eduardo Cunha já haviam sido apreendidos anteriormente. A alegação se refere ao dia 15 de dezembro de 2015. Na ocasião, Eduardo Cunha teve seu telefone recolhido na operação catilinárias.

O questionamento do BuzzFeed News e do Intercept, no entanto, se refere ao diálogo do dia 18/10 de 2016, dez meses depois da apreensão citada por procuradores e pelo Ministério da Justiça.

Em resposta a reportagem, Moro informou novamente que “não reconhece a autenticidade das mensagens obtidas por meio criminoso”, e a força-tarefa da “lava jato” alegou que os celulares de Eduardo Cunha “já tinham sido apreendidos por ordem do Supremo Tribunal Federal.”

Eduardo Cunha mantinha em seu telefone conversas com detentores de foro especial. Essa particularidade poderia fazer com que as investigações fossem transferidas da força-tarefa em Curitiba para a PGR.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »