Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Morreu linguista Amélia Mingas

LINGUISTA AMÉLIA MINGAS MORREU VÍTIMA DE DOENÇA (ARQUIVO) (FOTO: JOAQUINA BENTO)

A linguista e docente universitária Amélia Mingas morreu, nesta segunda-feira, em Luanda, vítima de doença.

A informação foi confirmada à Angop pelo director do Gabinete de Comunicação Institucional da Universidade Agostinho Neto (UAN), Arlindo Isabel.

Com 73 anos de idade, a docente da Faculdade de Letras da Universidade Agostinho Neto foi vítima de uma paragem cardiavascular.

Amélia Mingas, regente do curso de licenciatura e docente de Língua Portuguesa, foi a primeiro decana da Faculdade de Letras da UAN entre 2010 a 2015. Foi também a primeira professora catedrática (ou titular) da UAN.

Foi coordenadora do departamento de Língua Portuguesa do Instituto Superior de Ciências da Educação de Luanda (Isced) Luanda e directora do Instituto Nacional de Línguas do Ministério da Cultura.

Além de trabalhar em investigação, Amélia Mingas foi responsável pela cadeira de Linguística Bantu na UAN.

Entre 2006 e 2010, foi directora executiva do Instituto Internacional da Língua Portuguesa, com sede na cidade da Praia, em Cabo Verde, tendo defendido o estabelecimento de uma política linguística comum aos oito Estados que têm o português como língua oficial.

Participou em vários seminários e palestras ligados à problemática das línguas africanas e portuguesa, no interior e exterior do país.

Publicou “Interferência do Kimbundu no Português Falado em Lwanda”.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »