Ensa
Portal de Angola
Informação ao minuto

Mike Pompeo diz que “o tempo para esmagar o Irão está acabar”

(EPA-EFE/OLIVIER HOSLET)

O Secretário de Estado americano alertou que o tempo para esmagar o Irão está acabar. Para Pompeo, o Irão está fraco mas, daqui a 15 meses, o embargo de armas sobre o país chegará ao fim.

De acordo com a Sputnik, Mike também ressaltou que após o fim do prazo, o líder das Forças Quds da Guarda Revolucionária do Irão, Qasem Soleimani, voltará a poder fazer viagens internacionais.

“O relógio está a bater. O tempo que sobra até ao termo do embargo de armas imposto pela ONU ao Irão e a proibição de viajar de Qasem Soleimani está a terminar”, disse.

Exortamos os nossos aliados e parceiros a aumentar a pressão sobre o regime até parar com o seu comportamento desestabilizador.

A postagem de Pompeo gerou as mais diversas reações. Alguns usuários da rede criticaram o governo iraniano através de saudações ao ex-xá Reza Pahlavi. Até mesmo manifestantes de Hong Kong apoiaram a mensagem do Secretário de Estado.

No entanto, outros usuários condenaram a mensagem de Pompeo dizendo que, se os Estados Unidos não tivessem saído do acordo nuclear com o Irão, “não teria havido nenhum problema”. Outros ainda disseram que os EUA estavam claramente preocupados com a possibilidade de o Irão ser capaz de se defender da agressão americana, e que a “ameaça” era inteiramente imaginária.

Os EUA têm feito esforços no campo político para a formação de uma coligação internacional destinada a “policiar” o estreito de Ormuz. No entanto, alguns aliados tradicionais do país têm recusado enviar forças para o golfo Pérsico.

As tensões entre Teerão e Washington aumentaram logo após a saída dos EUA do acordo nuclear com o Irão em 2018. Além disso, nos últimos meses foram registados ataques contra petroleiros no golfo Pérsico. Os EUA acusam o Irão de estar por trás desses ataques.

Por sua vez, o Irão teve um dos seus navios-tanque apreendido em Gibraltar pelo Reino Unido. Enquanto isto, o país persa também apreendeu navios no estreito de Ormuz sob a alegação de que estes estariam contrabandeando petróleo.

Também pode gostar

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

Translate »